Você está aqui: Página Inicial > Defesas > Mestrado - Liézer Leandro Cardozo
conteúdo

Mestrado - Liézer Leandro Cardozo

por dirppg-ct publicado 20/11/2019 10h16, última modificação 20/11/2019 10h53
Efeito crônico do treinamento funcional na aptidão físico-funcional e na percepção de saúde e qualidade de vida em mulheres idosas
Quando
12/12/2019
de 14h00 até 18h00
(America/Sao_Paulo / UTC-200)
Onde
Sede Central: Sala C-301
Pessoa de contato
Profa. Maressa Priscila Krause
Participantes
Orientador(a): Profa. Maressa Priscila Krause, Ph.D. - UTFPR
Coorientador(a): Profa. Amer Cavalheiro Hamdan, Ph.D. - UFPR
Banca examinadora:
Presidente: Profa. Maressa Priscila Krause Mocellin, PhD - UTFPR
Prof. Sergio Gregório da Silva, PhD - UFPR
Prof. Ciro Romelio Rodriguez Añez, Dr. - UTFPR
Examinador Suplente: Prof. Wagner de Campos, PhD - UFPR
Adicionar evento ao calendário
iCal

Resumo: 

Mediante ao crescimento populacional de idosos, de modo que no Brasil os fatores centrais estão relacionados a saúde e qualidade de vida no processo de envelhecimento, para manutenção da independência e autonomia. O contexto de exercícios físicos tem comprovada contribuição na saúde do idoso, além disso a busca por uma atividade física pode ser considerada uma ação de controle, segundo a teoria da vida útil. Neste aspecto, levantamos a hipótese de que exercícios funcionais podem favorecer a saúde física, mental e a qualidade de vida em mulheres idosas. Objetivo: mensurar o efeito de 12 semanas de um programa de treinamento funcional em mulheres idosas, na aptidão físico-funcional, percepção da saúde geral, satisfação de vida, afetos, autoestima, resiliência, integridade cognitiva e na consciência sobre a qualidade de vida. Método: 10 mulheres idosas ativas (68.8 ±5.59), participaram do programa de exercícios funcionais com duração de 12 semanas, 60 minutos cada sessão, na região de Curitiba – PR. Realizaram avaliações nos períodos pré e pós tratamento, do protocolo de Teste Funcional composto por caminhada de 6 minutos, teste sentar e levantar, de flexão de braço, flexão de tronco, teste 8-Foot Up-and-Go e preensão manual. Também realizaram avaliações para verificar a percepção de saúde e qualidade de vida PSQV, com uso do Montreal Cognitive Assessment-Basic (MoCA-B), Questionário de Saúde Geral – QSG-12, Rosenberg Self-Esteem Scale, Questionário sobre Qualidade de Vida da Organização Mundial da Saúde – WHOQOL (versão abreviada e para idosos), Escala de Afetos Positivos e Afetos Negativos – PANAS, Escala de Satisfação de Vida (ESV)e Escala dos Pilares da Resiliência. Resultados: o treinamento físico proposto foi benéfico para a aptidão funcional, com significativa (acho que está faltando alguma palavra aqui) na aptidão cardiorrespiratória, força de membros superiores e inferiores e equilíbrio dinâmico e agilidade, assim como, na satisfação de vida e na atividade de abstração referente a integridade cognitiva. Contudo, não foram observadas diferenças significativas na maioria das variáveis de PSQV e, além disso, se destaca um declínio na percepção da saúde geral, com ênfase nas questões que remetem à disfunção social, na avaliação da qualidade de vida com ênfase na perspectiva de vida (versão estendida para o idoso) e no domínio ambiental do questionário de qualidade de vida versão abreviada, que sofreu um declínio significativo. Conclusão: uma proposta de exercícios funcionais tem potencial para a promoção de independência e autonomia. Contudo, alguns aspectos da qualidade de vida podem demandar intervenções conjuntas. Assim, a complexidade multifatorial apresentada por um idoso pode requerer abordagens que possibilitem o alcance de respostas adaptativas às exigências inerentes a idade, como programas que possam atuar de forma interdisciplinar no amparo à esta população.
Palavras-chave: Treinamento funcional, Percepção de saúde, Qualidade de vida, Envelhecimento saudável, Controle primário e secundário


Chronic effect of functional training on physical-functional fitness and health and quality of life perception in older women
Abstract:  Abstract:Through the population growth of the elderly, so that in Brazil the central factors are related to health and quality of life in the aging process, to maintain independence and autonomy. The context of physical exercise has proven to contribute to the health of the elderly, and the search for physical activity can be considered a control action, according to the theory of useful life. In this regard, we hypothesized that functional exercises may favor physical, mental health and quality of life in older women. Objective: To measure the 12-week effect of a functional training program on older women on physical-functional fitness, overall health perception, life satisfaction, affect, self-esteem, resilience, cognitive integrity, and quality-of-life awareness. Method: 10 active elderly women (68.8 ± 5.59) participated in a 16-week functional exercise program in Curitiba - PR. They performed pre- and post-treatment assessments using 6-minute walk functional tests, Sit-and-stand tests, Arm flexion test, Trunk flexion test, 8-Foot Up-and-Go test, and dynamometry. They also conducted assessments to check the perception of health and quality of life PSQV using the Montreal Cognitive Assessment - basic (MoCA-B), General Health Questionnaire - QSG-12, Rosenberg Self-Esteem Scale, World Health Organization Quality of Life Questionnaire. - WHOQOL (abbreviated and older version), Positive Affects and Negative Affects Scale - PANAS and Life Satisfaction Scale (ESV), and Resilience Pillars Scale. Results: the proposed physical training was beneficial for functional fitness, with significant cardiorespiratory fitness, upper and lower limb strength and dynamic balance and agility, as well as life satisfaction and abstraction activity regarding cognitive integrity. However, no significant differences were observed in most PSQV variables and, moreover, there is a decline in the perception of general health, with emphasis on issues that address social dysfunction, in the assessment of quality of life with emphasis on life perspective. (extended version for the elderly) and the environmental domain of the quality of life questionnaire shortened version, which suffered a significant decline. Conclusion: A functional exercise proposal has the potential to promote independence and autonomy. However, some aspects of quality of life may require joint interventions. Thus, the multifactorial complexity presented by an elderly may require approaches that enable the attainment of adaptive responses to age-related demands, such as programs that can act in an interdisciplinary way in support of this population.

Keywords: Functional training, Health perception, Quality of life, Healthy aging, Primary and secondary control.