Você está aqui: Página Inicial > Área Acadêmica > Disciplinas > Ementário - LSI
conteúdo

Ementário - LSI

por ksue publicado 21/01/2019 08h33, última modificação 19/07/2019 11h07
Linha de Pesquisa: Literatura, Sociedade e Interartes

Disciplina Obrigatória 

 Literatura e sociedade: diálogos culturais e comparativismos

Obrigatória: Sim

Carga Horária: 60

Créditos: 04

Ementa: A literatura compreendida pelo viés do comparativismo e sua inter-relação com os estudos culturais e transmidiáticos. A aproximação da literatura a outras linguagens artísticas e a análise de suas condições sociais, históricas e institucionais na contemporaneidade. A crítica à representação dos valores que orientam os códigos culturais e estéticos. A representação artística de categorias sociológicas. A construção do imaginário como empreendimento coletivo.

Bibliografia:
AUERBACH, ErichMimesis. São Paulo: Perspectiva, 2004.
BAKHTIN, Mikhail. Questões de Literatura e de Estética. A teoria do romance. São Paulo: Editora UNESP/Hucitec, 2010.
BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas. Magia e técnica, arte e política – Ensaios sobre literatura e história da cultura. 8 edição. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 2012.
BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.
BRUNEL, P.; PICHOIS, C. & ROUSSEAU, A.M. Que é literatura comparada? 2 edição. Trad. C. Berretini. São Paulo: Editora Perspectiva, 2012.
CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas híbridas. Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. São Paulo: Edusp, 2000.
CÂNDIDO, Antônio. Literatura e sociedade. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1985.
CARVALHAL. Tânia Franco e COUTINHO, Eduardo F. (org.). Literatura Comparada – textos fundadores. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.
COSTA LIMA, Luiz. Mimesis e modernidade. Rio de Janeiro: Graal editora, 2003.
EAGLETON, Terry. Marxismo e crítica literária. São Paulo: Unesp, 2011.
FIGUEIREDO, Eurídice. Conceitos de literatura e cultura. Juiz de Fora: UFJF, 2005.
HALL, Stuart.  A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2006.
HAUSER, Arnold. História Social da Arte e da Literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
JAUSS, Hans Robert.  A literatura como provocação. Lisboa: Ed. Passagens, 1993.
NITRINI, S. Literatura comparadaSão Paulo: EDUSP, 2010.
PLAZA, Julio. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2000.
RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO experimental org.; Ed. 34, 2009.
SAID, Edward W. Representações do intelectual: As conferências Reith de 1993. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
SARLO, Beatriz. Tempo Passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007. 
STAM, Robert. A literatura através do cinema. Belo Horizonte: Edit. UFMG, 2009.

 

 


Disciplinas Eletivas

Pós-Modernidade e Literatura Latino-Americana: Narrativas em Foco

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Estudo comparativo entre obras selecionadas da literatura latino-americana contemporânea, com ênfase no diálogo entre estas sob a luz dos estudos da pós-modernidade.

Bibliografia:
BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulaçãoLisboa: Relógio D’água, 1991.
BAUMAN, ZYGMUNT. Mal-estar na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.
CHIAPINI, L. & AGUIAR, F. (org.) Literatura e História na América Latina. São Paulo: EDUSP, 2001.
CONNOR, Steven. Cultura Pós-Moderna. São Paulo: Edições Loyola, 2012.
ECO, Umberto. Pós-escrito a O nome da rosa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.
FIGUEIREDO, Euridice (Org.). Conceitos de literatura e cultura. Juiz de Fora: Editora da UFJF; Niterói: EdUFF, 2005.
FUENTES, Carlos. Geografia do Romance. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 10ªed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.
HARVEY, David. Condição Pós-Moderna. 6ª edição. São Paulo: Edições Loyola, 2012.
HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Pós-modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.
HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção. Rio de Janeiro: Imago, 1991.
JAMESON, Fredric. Espaço e imagem - teorias do pós-moderno e outros ensaios. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2004.
LIMA, Luiz Costa. “Pós-modernidade: contraponto tropical”, In: Pensando nos trópicos. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.
LYOTARD, Jean-François. A condição pós-modernaRio de Janeiro: José Olympio, 2011.
SANTIAGO, Silviano. As raízes e o labirinto da América Latina. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.
      . “O entre-lugar do discurso latino-americano”. In: SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos. 2. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2000. p. 9-26.      . “Paródia-pastiche – permanência do discurso da tradição no modernismo”, in Tradição / Contradição (vários autores). Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

 

 

Marcas da ordem patriarcal em romances brasileiros

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Leitura, análise e discussão de romances brasileiros em que haja a presença da ordem patriarcal, com o fito de verificar que tais obras ficcionais frequentemente apresentam uma relação conflituosa entre poderosos e despossuídos, em que a relacionamento amoroso estabelece-se marcado pela subalternidade das figuras femininas às masculinas, embora algumas transgressões femininas instaurem a desordem na aparente inabalável ordem patriarcal.

Bibliografia:
BROOKSHAW, David. Raça & cor na literatura brasileira. Trad. Marta Kirst. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1983.
BUENO, Luís. Uma história do romance de 30. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; Campinas: Editora da Unicamp, 2006.
CANDIDO, Antonio. Ficção e confissão: ensaios sobre Graciliano Ramos. Rio de Janeiro, 34, 1999.
____. Os olhos, a barca e o espelho. In: ____. A educação pela noite e outros ensaios. 6. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011.
DAMATTA, Roberto. A casa & a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.
DEL PRIORE, Mary (Org.) & PINSKI, Carla Bassanezi (Coord. textos). 10. ed. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2011.
FRANCO, Maria Sylvia Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. 4. ed. São Paulo: Unesp, 1997.
FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 51. ed. rev. São Paulo: Global, 2006.
GLEDSON, John. Machado de Assis: impostura e realismo: uma reinterpretação de Dom Casmurro. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.
GARBUGLIO, José Carlos; BOSI, Alfredo; FACIOLI, Valentim. Graciliano Ramos: antologia e estudos. Participação especial: Antonio Candido et al. São Paulo: Ática, 1987. (Coleção Escritores Brasileiros).
HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org.). Tendências e impasses. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.
QUEIROZ JÚNIOR, Teófilo. Preconceito de cor e a mulata na literatura brasileira. São Paulo: Ática, 1982.
REIS, Roberto. A permanência do círculo: hierarquia no romance brasileiro. Niterói, EDUFF; Brasília: INL, 1987.
RIBEIRO, Luis Filipe. Mulheres de papel: um estudo do imaginário em José de Alencar e Machado de Assis. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária; Fundação Biblioteca Nacional, 2008.
SCHWARZ, Roberto. A poesia envenenada de Dom Casmurro. In: ______. Duas meninas. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
____. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. S. Paulo: Duas Cidades, 2000.
____. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. 5.ed. S. Paulo: Duas Cidades; 34, 2012.
SÜSSEKIND, Flora. Tal Brasil, Qual Romanceuma ideologia estética e sua história: o naturalismo. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.
VIANNA, Lúcia Helena. Cenas de amor e morte na ficção brasileira: o jogo dramático da relação homem-mulher na literatura. Niterói: EDUFF, 1999.
XAVIER, Elódia. Declínio do patriarcado: a família no imaginário feminino. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Tempos, 1998.

 

 

Tradução e Literatura

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Polissistemas culturais, literários e tradução. Teorias descritivistas da tradução. Processo, produto e agentes da tradução literária. A ideologia nos textos traduzidos. Pesquisa nos estudos da tradução literária. 

Bibliografia:

BAKER, M. e SARDINHA, BRoutledge Encylopedia of Translation StudiesLondres: Routledge, 1998.
BASSNETT, Susan. Estudos de Tradução. Trad. Gehring, S. T, Abreu, L. V e Antinolfi, P. A. R. Porto Alegre: Editora da UFRG, 2005.
EVEN-ZOHAR, Itamar. Polysystem Studies. Poetics Today[s/l], v. 11, n. 1, 1990, p.10-27. Disponível em: <http://www.tau.ac.il/~itamarez/works/books/ez-pss1990.pdf>. Acesso em: jan. 2014.
EVEN-ZOHAR, Itamar “The Position of Translated Literature within the Literary Polysystem”. In Lawrence Venuti (ed.) The Translation Studies Reader, Londres e Nova Iorque, Routledge, 2000.
FURLAN, Mauri. “Brevíssima história da teoria da tradução no Ocidente: I. Os Romanos”, in Cadernos de Tradução nº VIII. Florianópolis: PGET, 2003. (p.11-28)
FURLAN, Mauri. “Brevíssima história da teoria da tradução no Ocidente: II. Idade Média”, in Cadernos de Tradução nº XII. Florianópolis: PGET, 2005. (p.09-28)
FURLAN, Mauri. “Brevíssima história da teoria da tradução no Ocidente: II. Final da Idade Média e o Renascimento”, in Cadernos de Tradução nº XIII. Florianópolis: PGET, 2005. (p.09-25)
GENTZLER, Edwin. Teorias Contemporâneas da TraduçãoTrad. Marcos Malvezzi. 2.ed.rev. São Paulo: Madras, 2009.
GENETTE, Gerard. Paratextos editoriaisTrad. de Álvaro Faleiros. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.
GUERINI, Andréia; TORRES, Marie-Hèléne Catherine; COSTA, Walter (orgs.). Literatura e Tradução: textos selecionados de José Lambert. Rio de Janeiro: 7Letras, 2011.
HERMANS, T. Literary Translation. In: KUHIWCZAK, Piotr; LITTAU, Karin. A Companion to Translation StudiesLondres: Multilingual Matters LTD, 2007.
HERMANS, Theo. The Manipulation of LiteratureLondres/Sidney: Croom Helm, 1985.
LEFEVERE, Andre. Rewriting and the manipulation of literary fameLondres: Routledge, 1992.
MILTON, John. O clube do livro e a traduçãoBauru: EDUSC, 2002.
PYM, Anthony. Exploring translation theoriesNova Iorque: Routledge, 2010.
ROBINSON, Douglas. Construindo o tradutorBauru: EDUSC, 2002.
TOURY, Gideon. Descriptive Translation Studies and BeyondRevised Edition. Philadelphia: John Benjamin Publishings, 2012.
VENUTI, Lawrence. Escândalos da tradução: por uma ética da diferença. Trad. de Laureano Pelegrin, Lucinéia Marcelino Villel, Marileide Dias Esqueda, Valéria Biondo. Revisão técnica Stella Tagnin. Bauru, SP: EDUSC, 2002.
VENUTI, Lawrence. Translation Studies ReaderNova Iorque e Londres: Routledge, 2003.
WILLIAMS, Jenny; CHESTERMAN, Andrew. The map: a beginner’s guide to doing research in Translation Studies. Manchester, Reino Unido: St Jerome Publishing, 2002.

 

 

Literatura Fantástica

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Delimitações do fantástico; o romance gótico; caminhos da prosa fantástica do século XIX ao século XX; o fantástico na literatura brasileira.

Bibliografia:

CARROL, Noël. A filosofia do horror. Campinas, SP: Papirus, 1999.
CAUSO, Roberto de Sousa. Ficção Científica, Fantasia e Horror no Brasil – 1875 a 1950. Belo Horizonte: editora UFMG, 2003. 
CESERANI, Remo. O Fantástico. Curitiba: Ed. UFPR, 2006.
COUTINHO, Afrânio. A literatura no Brasil vol. 3. São Paulo: Global editora, 1997.
__________. A literatura no Brasil vol. 4. São Paulo: Global editora, 1997.
FERREIRA, Cid Vale. Org. Voivode – estudos sobre os vampiros. Jundiaí, SP: Pandemonium, 2002.
HUGO, Victor. Do grotesco e do sublime – tradução do prefácio de Cromwell. São Paulo: Perspectiva, 2002.
KOTHE, Flávio Rene. A narrativa trivial. Editora UNB, 1994
LECOUTEX, Claude. História dos vampiros – autópsia de um mito. São Paulo: ed. UNESP, 2005.
LOVECRAFT, Howard Phillips. O horror sobrenatural na literatura. Trad. João Guilherme Linke. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora S.A, 1987.
MAGALHÃES, Célia. Os monstros e a questão racial na narrativa modernista brasileira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.
MONTEIRO, Maria Conceição. Na aurora da modernidade: a ascensão dos romances gótico e cortês na literatura inglesa. Rio de Janeiro: Caetés, 2004.
PRAZ, Mário. A carne, a morte e o diabo na literatura romântica. Trad. Philadelpho Menezes. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1996.
RODRIGUES, Selma Calasans. O Fantástico. Série Princípios. São Paulo: Ática, 1988.
TODOROV, Tzvetan. Introdução à Literatura Fantástica. São Paulo: Perspectiva, 2003.

 

 

Sujeito, Literatura e Cinema das Culturas de Língua Inglesa

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Estudos e reflexões sobre temáticas que focam a representação do sujeito na literatura e no cinema no escopo das culturas de língua inglesa. Compreensão crítica de que leituras constituem-se ideologicamente, ou seja, de acordo com as perspectivas que instauramos e culturas a que pertencemos. A representação social e cultural do sujeito em textos literários e/ou fílmicos e o inter-relacionamento destes com teorias e críticas da atualidade. Percepção crítica de métodos de análise literária e/ou fílmica. 

Bibliografia:

HIGH, Peter B. Outline of American literature. Londres: Longman, 1986.
D’ONOFRIO, Salvatore. Forma e sentido do texto literário. São Paulo: Ática, 2007.
HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, c1995.
YOUNG, Tory. Studying English literature: a practical guide. New York: Cambridge UP, 2008.

Bibliografia Complementar:
BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulação. Trad. de Maria João da Costa Pereira. Lisboa: Relógio D’Água, 1991.
BHABHA, Homi. O local da cultura. Trad. de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. 2. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.
CAMUS, Albert. Mito de Sísifo. Trad. de Ari Roitman e Paulina Watch. São Paulo: Record, 2006.
DU BOIS, William Edward Burghardt. As almas da gente negra. Trad. de Heloísa Toller Gomes. Rio de Janeiro: Lacerda ED., 1999.
FREUD, Sigmund. O ego e o id e outros trabalhos – 1923-1925. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Trad. de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1996.
GILBERT, Sandra M.; GUBAR, Susan. The madwoman in the attic: the woman writer and the nineteenth-century literary imagination. New Haven e Londres: Yale UP, 1984.
HALL, Stuart: A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. de Tomás Tadeu da Silva. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.
HURSTON, Zora Neale. “How it feels to be colored me.” In: I love myself when I am laughing... and then again when I am looking mean and impressive: a Zora Neale Hurston reader. Org. de Alice Walker. Nova York: Feminist Press, 1979.
LACAN, Jacques. “O estádio do espelho como formador da função do eu”. In: Escritos. Trad. de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.
LEITCH, Vincent (org). The Norton anthology of theory and criticism. Londres e Nova York: Norton, 2001.
WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Trad. de Vera Ribeiro. São Paulo: Círculo do Livro, 1994.

 

Relações Entre Literaturas De Língua Inglesa E Tradução Intersemiótica, Com Foco No Teatro E No Texto Dramático

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Estudo das relações entre Literaturas de Língua Inglesa e Tradução Intersemiótica. Estudo do processo de transição do texto para o palco (teatro). Estudo do texto dramático e suas particularidades. Estudo do processo tradutório do texto dramático. Estudo dos elementos constitutivos da encenação e a relação da montagem teatral com o público (resultado do produto de chegada).

Bibliografia:

AGUIAR, Daniela; QUEIROZ, João. Modeling Intersemiotic Translation: Notes toward a Piecercian approach. Applied Semiotics, Toronto, 2010.
DINIZ, Thais Flores. Tradução Intersemiótica e o conceito de equivalência. IV Congresso da Abralic-Literatura e diferença. São Paulo, 1995. p.1001-1004
__________. Os enleios de Lear: Da semiótica à tradução Cultural. 1994. Tese. Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, 1994.
__________. Tradução Intersemiótica: do texto para a tela. Cadernos de Tradução, Florianópolis, n.3, 1998.
ECO, Umberto. Quase a mesma coisa. Tradução de Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Record, 2007.
PAVIS, Patrice. O teatro no Cruzamento de culturas. São Paulo: Perspectiva, 2008.
__________. Análise dos espetáculos. São Paulo: Perspectiva, 2010.
__________. Toward specifying theatre translation. In: PAVIS, Patrice. Theatre at the crossroads of culture. London and New York: Routledge, 1992.
PLAZA, Julio. Tradução Intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2008.
SNELL-HORNBY, Mary. Theatre and Opera Translation. In: KUHIWCZAK, Piotr, LITTAU, Karin. (Eds.). A companion to Translation Studies. Toronto, 2007.
UBERSFELD, Anne. Para ler o teatro. Traducão de J.Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2005.

Bibliografia Complementar:

BASSNETT, Susan. La traduzione: Teorie e pratica. Milano: Strumenti Pampiani, 1993
BLOOM, Harold. Shakespeare: The invention of the human. New York: Riverhead Books, 1998
BRADLEY, A.C. Shakespearian Tragedies: Lectures on Hamlet, Othello, King Lear, and Macbeth. New York: St Martin's Press, 1960.
DE MARINIS, Marco. The semiotics of performance. Tradução de Áine O'Hairy. EUA: Indiana University Press, 1999.
HALIO, Jay. Understanding Shakespeare's plays in performance. USA: Scrivenery Press, 1988.
LOMBARDO, Agostino, STREHLER, Giorgio. La tempesta tradotta e messa in scena 1977-1978. 1.ed. Roma: Donzelli editore, 2007.
SOARES, Jô. Ricardo III. São Paulo: Impresa Oficial, 2006.
SHAKESPEARE, William. The Riverside Shakespeare: USA: Haughton Mifflin, 1974.