Você está aqui: Página Inicial > Defesas > Doutorado - Elaine Beatriz de Oliveira Smyl
conteúdo

Doutorado - Elaine Beatriz de Oliveira Smyl

por dirppg-ct publicado 07/10/2020 09h04, última modificação 07/10/2020 09h04
Manda nudes, bebê: relações de gênero e sexualidades na prática do sexting entre adolescentes no ambiente escolar
Quando
30/10/2020
de 14h00 até 18h00
(America/Sao_Paulo / UTC-200)
Onde
Via videoconferência - https://conferenciaweb.rnp.br/webconf/marines-ribeiro-dos-santos
Participantes
Orientador(a): Profa. Marines Ribeiro dos Santos, Dra. - UTFPR
Banca examinadora:
Presidente: Profa. Marines Ribeiro dos Santos, Dra. - UTFPR
Prof. Ronaldo Corrêa, Dr. - UTFPR
Profa. Maria Rita de Assis César, Dra. - UFPR
Profa. Kátia Maria Kasper, Dra. - UFPR
Profa. Bianca Salazar Guizzo, Dra. - ULBRA
Adicionar evento ao calendário
iCal

Resumo: O termo sexting corresponde à união de duas palavras inglesas, sex (sexo) e texting (envio de mensagens). O sexting consiste em uma prática sociocultural de compartilhamento, recebimento e troca de mensagens escritas, de fotos e de vídeos de caráter erótico/sensual/sexual, por meio, especialmente, do telefone celular. Este trabalho pretende discutir o sexting como uma tecnologia de gênero que atua na produção de subjetividades, contribuindo na constituição de masculinidades e feminilidades entre adolescentes de uma escola pública de Curitiba. Os dados analisados foram construídos a partir da narrativa de um grupo de estudantes entre 15 e 18 anos. A discussão proposta está apoiada em abordagens de Michel Foucault e de teóricas feministas como Teresa De Lauretis, Judith Butler e Paul Beatriz Preciado. A escola é o ambiente desta pesquisa, servindo, por muitas vezes, como local em que os materiais referentes ao sexting são produzidos, repassados, visualizados e comentados. As consequências extremas dessa prática também são percebidas na escola, principalmente em relação aos compartilhamentos não consentidos, que ocasionam casos de bullying, violência, xingamentos, entre outros. As narrativas dos/das estudantes indicam que o sexting é atravessado por marcadores de gênero, sexualidade, corpo e geração que podem reforçar as normas hegemônicas. Contudo, essa prática também possibilita a produção de novas representações que contestam as marcações de masculinidades e feminilidades convencionais.
Palavras-chave: sexting; tecnologia de gênero, educação, adolescentes, sexualidade.

Send nudes, baby:
gender relations and sexualities in the practice of sexting among adolescents in the school environment
Abstract: The term sexting corresponds to the union of two English words, sex and texting. Sexting consists of a sociocultural practice of sharing, receiving and exchanging written messages, photos and videos of character erotic / sensual / sexual, especially through the cell phone. This paper aims to discuss sexting as a gender technology that works in the production of subjectivities, contributing to the constitution of masculinities and femininities among adolescents in a public school from Curitiba. The analyzed data were constructed from the narrative of a group of students between 15 and 18 years old. The proposed discussion is supported by approaches by Michel Foucault and feminist theorists like Teresa De Lauretis, Judith Butler and Paul Beatriz Preciado. School is the this research environment, often serving as a place where sexting materials are produced, passed on, viewed and commented on. The extreme consequences of this practice are also perceived at school, especially in relation to unauthorized shares, which cause bullying, violence, name calling, among others. The students' narratives indicate that sexting is crossed by gender markers, sexuality, body and generation that can reinforce hegemonic norms. However, this practice also makes it possible to produce new representations that challenge the markings of masculinities and conventional femininities.
Keywords: sexting; gender technology, education, adolescents, sexuality.

Lista de publicações:
SANTOS, Marines Ribeiro. SMYL, Elaine B. de O. Cursos de 'desprincesamento': estratégias feministas de resistência. Anais 13° Congresso Mundos de Mulheres e do Seminário Internacional Fazendo Gênero. Florianópolis, 2017. Disponível em: http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499383872_ARQUIVO_ElaineSmyl_Texto_completo_MM_FG.pdf
SANTOS, Marines Ribeiro. SMYL, Elaine B. de O. MANDA NUDES, BEBÊ! O SEXTING ABORDADO COMO TECNOLOGIA DE GÊNERO. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, 2020. ISSN 2178-4582.