Você está aqui: Página Inicial > Defesas > PPGTE (Mestrado): Margarete Casagrande Lass Erbe
conteúdo

PPGTE (Mestrado): Margarete Casagrande Lass Erbe

por ppgte-ct publicado 31/10/2018 08h35, última modificação 19/11/2018 15h56
Resíduos dos serviços de saúde: Riscos, gestão e soluções tecnológicas
Quando
18/12/2001
de 09h00 até 10h45
(America/Sao_Paulo / UTC-200)
Onde
Sala C301 do CEFET-PR
Pessoa de contato
Dr. Eloy Fassi Casagrande Jr.
Participantes
Dr. Eloy Fassi Casagrande Jr. (Orientador)
Drª. Libia Patricia Peralta Agudelo
Drª. Lívia Mari Assis
Drª. Maria Terezinha Carneiro Leão
Adicionar evento ao calendário
iCal

Resumo: Sensibilizada com a questão do gerenciamento e destino dado aos resíduos dos serviços de saúde no Brasil e pela qualidade e disponibilidade da água existente, a qual é a principal afetada por um mal gerenciamento adotado nos estabelecimentos de saúde, a pesquisadora foi em busca de soluções tecnológicas na Alemanha que pudessem servir de base para um modelo a ser aplicado no Brasil. Sendo assim, parte de sua pesquisa foi desenvolvida na Klinikum der Albert-Ludwigs Universität, em Freiburg, onde os critérios adotados na gestão ambiental deste estabelecimento são vistos como referência para este tipo de estudo. A pesquisa de campo realizada no Brasil aborda questões relacionadas com a potabilização da água e a falta de políticas públicas para o gerenciamento dos recursos hídricos subterrâneos, os quais colocam em risco possíveis soluções e gerenciamentos integrados. O saneamento ambiental e os resíduos dos serviços de saúde estão relacionados com as principais enfermidades parasitárias infecciosas no Brasil. Foi constatada a necessidade de conscientização quanto ao destino e tratamento dos resíduos gerados nos estabelecimentos de saúde pela possibilidade de geração de resíduos com características de risco biológico, químico e radioativo. É apresentada uma abordagem comparativa entre a legislação brasileira e a legislação alemã que tratam deste assunto, constatando que ambas são rígidas quanto a determinação de que os resíduos provenientes dos estabelecimentos de saúde são potencialmente perigosos e que necessitam de cuidados diferenciados. No entanto, no Brasil, para promover soluções adequadas quanto ao manuseio e o descarte de materiais perigosos gerados nestes estabelecimentos, atendendo as exigências da legislação, necessita-se de infra-estrutura adequada para manuseio e tratamento, além de conhecimento sobre resíduos. Constatou-se que o uso da norma de gestão ambiental ISO 14001- Sistemas de Gestão Ambiental é base para a implantação de programas de gerenciamento ambiental nestes estabelecimentos, trazendo vantagens para a redução de resíduos com características de periculosidade. A pesquisa concluiu que no Brasil este tipo de gerenciamento não é considerado. Somente após tratamento adequado é que deveriam-se descartar resíduos líquidos no sistema de tratamento de esgoto sanitário. Quanto a soluções tecnológicas e métodos de tratamento usados atualmente no Brasil, verificou-se que nenhuma técnica trata adequadamente todos os diferentes tipos de resíduos gerados nas diferentes categorias de estabelecimentos de saúde. Portanto, para que os riscos sejam minimizados, se faz necessário a implantação de uma gestão integrada que envolva administração, educação e diferentes soluções tecnológicas. Como recomendação para implantar esta gestão integrada, foram elaborados fluxogramas baseados no Sistema de Gestão Ambiental, na norma ABNT/NBR14.001 e na Resolução do CONAMA Nº5 de agosto de 1993.