Pesquisa

Professores desenvolvem pesquisa com apoio de órgãos externos
Pesquisa

Os parceiros nos trabalhos de campo, professor Selvino Neckel de Oliveira e seus alunos nos trabalhos de campo em São Bento do Sul (SC), procurando locais propícios para a rã do folhiço (Cycloramphus diringshofeni).

O trabalho desenvolvido nas universidades vai muito além do ensino. Os professores também atuam como pesquisadores desenvolvendo ciência e contribuindo para a evolução do país neste sentido.

Inúmeras pesquisas de servidores da UTFPR de Francisco Beltrão foram aprovadas em diferentes órgãos e em alguns casos receberam fomento para serem desenvolvidas. É o caso do projeto coordenado pelo professor Rodrigo Lingnau, docente na graduação e no mestrado em Engenharia Ambiental. O tema do projeto são sete espécies de anfíbios (sapos, rãs e pererecas) ameaçados de extinção na região sul do Brasil. Durante os três anos de execução do projeto os pesquisadores envolvidos participarão de expedições em remanescentes de florestas para tentar encontrar novas populações das espécies ameaçadas de extinção e procurar entender as pressões sobre elas. “Muitas dessas espécies estão ameaçadas de extinção pelo alto grau de desmatamento da Floresta com Araucárias, então estamos procurando esses animais em pequenos fragmentos”, esclarece Lingnau que irá trabalhar com pesquisadores da UFSM, UFSC, Unicamp, UTFPR e alunos de iniciação científica, mestrado e doutorado. O projeto recebeu fomento de aproximadamente R$ 97.000 da Fundação Araucária.

Outro trabalho aprovado na Fundação Araucária, do qual a UTFPR Francisco Beltrão faz parte por meio da Rede Paranaense de Apoio a Agropesquisa e Formação Aplicada, recebeu um aporte total no valor de R$ 1.565.902,94.  Os investimentos buscam estabelecer uma rede estadual de monitoramento de bacias hidrográficas, apoiando sete mesorregiões com objetivo de levantar informações na área de conservação do solo e água. Fazem parte da Rede os professores Thalita Grando Rauen, Julio Caetano Tomazoni e Eder da Costa dos Santos, do câmpus Francisco Beltrão, além de pesquisadores dos câmpus de Dois Vizinhos e de Pato Branco, assim como colaboradores da Udesc, Embrapa e Iapar.

Já um projeto proposto pela universidade irá auxilia para o tratamento das informações e para o diagnóstico referente às condições de segurança estrutural da barragem de Itaipu, agregando agilidade e confiança nas ações que envolvem o monitoramento da barragem. O projeto proposto em conjunto pelas professoras da UTFPR Francisco Beltrão, Sheila Regina Oro e Tereza Rachel Mafioleti, pela professora da UTFPR de Toledo, Suellen Pardo Ribeiro Garcia e pela professora do câmpus Pato Branco Cleonis Viater Figueira e dos alunos de graduação da UTFPR (iniciação científica) faz parte do Acordo de Cooperação Técnico-Científica firmado entre a Itaipu Binacional, a UTFPR e a Fundação Parque Tecnológico Itaipu (FPTI).

CNPQ

Na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos a professora Vânia de Cássia da Fonseca Burgardt tem aprovado um projeto na Chamada Universal do CNPQ para caracterização sensorial do queijo colonial da microrregião de Francisco Beltrão e perfil de seus consumidores. “O queijo colonial é um produto muito difundido na nossa região, conhecer suas características sensoriais permite criar padrões de qualidade que agradam o consumidor, além de fortalecer e facilitar o processo produtivo. A pesquisa cria uma aproximação da universidade com os produtores da região, além de favorecer o desenvolvimento regional”, finalizou Vânia.

Atualizado em 30/08/2017

Ações do documento