Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Geral > Divulgação Científica > Pesquisadores usam luzes de Led para afastar onça-pintada
conteúdo

Notícias

Pesquisadores usam luzes de Led para afastar onça-pintada

Propriedade Rural

publicado: 11/03/2020 11h24 última modificação: 11/03/2020 11h24
Exibir carrossel de imagens Foto:Teresa Richards/stockvault

Foto:Teresa Richards/stockvault

Uma alternativa para evitar ataques de onça-pintada a rebanhos que vivem em propriedades do Parque Nacional do Iguaçu, região Oeste do Paraná, está sendo testada por pesquisadores do Grupo de Inteligência Computacional, do Departamento de Computação do Câmpus Medianeira. Eles estão instalando luzes de led para que acendam automaticamente ao anoitecer.

São instaladas fitas de led que ficam piscando de forma intermitente para que simulem o movimento humano com uma lanterna, por exemplo, e façam com que os animais não se aproximem do local.

A técnica é inspirada no Sistema Turerê, desenvolvida para afastar leões no Quênia, África. A ideia é preservar as onças-pintadas e evitar o prejuízo de propriedades rurais na região.

“O pessoal do projeto Onças do Iguaçu nos procurou com algumas demandas e esta era uma das propostas. Aceitamos e fizemos um protótipo. Desde então, quando existe predação na região ou são identificadas propriedades vulneráveis somos chamados para instalar as luzes no local”, explica o professor Pedro Luiz de Paula Filho.

Segundo o professor Pedro Luiz, uma das queixas dos envolvidos com o projeto Onças do Iguaçu, que estuda e monitora as onças-pintadas na região, é o descarte incorreto de carcaças de animais, pois estas podem atrair grandes felinos para as propriedades. De acordo com os pesquisadores, quando produtores descartam carcaças na mata, a céu aberto, o cheiro acaba atraindo grandes felinos, que por sua vez podem atacar animais vivos.

Até o momento, pelo menos três propriedades no entorno do Parque Nacional do Iguaçu já estão testando a técnica.

Além do pesquisador Pedro Luiz de Paula Filho, participam do projeto os acadêmicos da UTFPR, Caio Conti, Alfredo Conceição Erdmann, Gustavo Pinheiro, Wesley Karl El Anderson; e os gestores ambientais do projeto Onças do Iguaçu do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Thiago Reginatto, Aline Kotz, Yara Barros e Cléo Falcão.

Censo

O número de onças-pintadas no Parque Nacional do Iguaçu, em Foz do Iguaçu, na região oeste do Paraná, aumentou quase 27% em dois anos, segundo o ICMBio. Desde 2009, especialistas do projeto Onças do Iguaçu realizam um censo da espécie. No último levantamento, divulgado em novembro do ano passado, referente ao resultado de 2018, estima-se que foram encontradas 28 onças-pintadas no Parque. O resultado foi 27% a mais do que no censo anterior, sobre 2016, que revelou a presença de 22 animais da espécie. Em 2009, eram até 11 onças.