Aviso: Você está visitando a nossa página antiga, por isso algumas informações podem estar desatualizadas.

Para saber mais sobre a Instituição, acesse o novo Portal da UTFPR

Você está aqui: Página Inicial patobranco Estrutura do Câmpus Assessorias Assessoria de Comunicação Comunicação e Imprensa Notícias 2010 Processo de Avaliação do Docente pelo Discente

Processo de Avaliação do Docente pelo Discente

Os alunos do Campus Pato Branco podem participar, até o dia 5 de agosto, da Avaliação do Docente pelo Discente. A avaliação é sigilosa e feita diretamente no sistema acadêmico.

Este processo oportuniza aos alunos apresentarem comentários, sugestões e críticas aos seus professores, a respeito do andamento do processo ensino x aprendizagem, tendo por objetivo utilizar deste material durante entrevistas dos chefes com os professores, nas reuniões pedagógicas e de planejamento dos respectivos cursos, e também nas Semanas Pedagógicas e de Planejamento do Campus, visando à reformulação e estabelecimento de diretrizes, pela administração superior, com base nos aspectos positivos, que devem ser reforçados, bem como na análise dos pontos negativos, com o intuito de eliminá-los.

De acordo com a presidente da Comissão Especial de Avaliação do Docente pelo Discente, professora Cleonis Viater Figueira, até o presente momento 24% dos alunos do Campus Pato Branco já participaram deste processo, porém é necessário o empenho de todos “para que se consiga estabelecer, ao dar feedback dos pontos positivos e dos pontos que mereçam uma mudança das práticas pedagógicas dos professores, um processo de comprometimento com a construção de uma educação para a emancipação e para a autonomia, através da auto-reflexão crítica do aluno ao apresentar comentários e sugestões aos seus professores”, salienta.

O acadêmico do curso de Engenharia da Computação, Ricardo Viapiana, que já participou de edições passadas, comentou que “acha muito importante este processo e que acredita que os alunos devem opinar de verdade, comentar onde precisa melhorar e não só criticar os professores que não tenham um bom relacionamento ou boa didática”.

Ações do documento