Aviso: Você está visitando a nossa página antiga, por isso algumas informações podem estar desatualizadas.

Para saber mais sobre a Instituição, acesse o novo Portal da UTFPR

Você está aqui: Página Inicial patobranco Estrutura do Câmpus Assessorias Assessoria de Comunicação Comunicação e Imprensa Notícias 2010 Pesquisas em Plantas

Pesquisas em Plantas

UTFPR negocia com a Embrapa Amazônia Oriental e com a UFPA para o desenvolvimento de pesquisas em plantas
Pesquisas em Plantas

Abramo juntamente com pesquisadores da Embrapa e do Laboratório de Cromatografia da UFPA

A UTFPR, através do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (PPGA) do Campus Pato Branco, está encaminhando tratativas para a efetivação de um convênio com a Embrapa Amazônia Oriental e a Universidade Federal do Pará (UFPA), que promoverá o intercâmbio de alunos do PPGA do Campus Pato Branco e do Programa de Pós-Graduação em Química Orgânica (PPGQO) da UFPA e, também, desenvolverá dois projetos de pesquisa, desencadeados em parceria entre as instituições.
O professor do Campus Pato Branco, José Abramo Marchese, um dos idealizadores do convênio, salienta que o principal objetivo do projeto será “procurar moléculas existentes em plantas amazônicas, para uso herbicida em plantas daninhas, visando desenvolver defensivos de origem natural, menos impactantes ao ambiente”. O professor explica que isso é possível, pois algumas substâncias de origem natural, ou cuja síntese tem como modelo um produto natural, funcionam como uma espécie de “vacina” e imunizam as plantas, tornando-as resistentes às doenças e/ou pragas.

Outro projeto que o Campus Pato Branco pretende desenvolver com a UFPA é a extração, em escala industrial, de artemisinina e seus análogos, a partir da espécie vegetal Artemisia annua, uma planta exótica chinesa. Essas moléculas possuem atividade antimalarial (contra a malária) e são usadas como insumos na fabricação de medicamentos utilizados no tratamento da doença.
De acordo com o professor Abramo, a Artemisia annua está aclimatada no Sudoeste do Paraná e, após a extração das moléculas, haverá demanda para o cultivo da espécie na região. O professor adianta, ainda, que os trabalhos de agrotecnologia para o cultivo da espécie estão avançados, em virtude de estudos realizados durante mais de 10 anos, por docentes e alunos dos grupos de Fisiologia e de Melhoramento de Plantas do curso de Agronomia do Campus Pato Branco.

Ações do documento