Aviso: O site da UTFPR está sendo reestruturado. Você está visitando a nossa página antiga.

As atualizações estão sendo realizadas na nova versão, disponível aqui

Você está aqui: Página Inicial patobranco Estrutura do Câmpus Assessorias Assessoria de Comunicação Comunicação e Imprensa Notícias 2012 Novembro Prêmio Inventor 2012 da Petrobras

Prêmio Inventor 2012 da Petrobras

Professor do Câmpus Pato Branco realiza pesquisa inovadora: premiada e reconhecida com depósito de patente

Em evento realizado no dia 1º de novembro, no Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello - CENPES/PETROBRAS, no Rio de Janeiro - RJ, o Professor do Departamento de Química e do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos – PPGTP, do Câmpus Pato Branco, Dr. Edimir Andrade Pereira, recebeu o Prêmio Inventor 2012 da Petrobrás, que foi concedido ao trabalho intitulado “Composição Inibidora de Corrosão para Processos de Acidificação de Poços de Petróleo”.

 

A Pesquisa

O desenvolvimento desta pesquisa ocorreu em 2008, na Escola de Química, na Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, quando o Professor Edimir ainda era recém-doutor daquela Instituição de Ensino Superior. O depósito da invenção (produto), no segmento de exploração da Petrobras ocorreu em 2011, nesta última edição do Prêmio.

Conforme informações do pesquisador, a estimulação de poços de petróleo é uma operação realizada para aumentar a permeabilidade da rocha reservatório, facilitando o escoamento de fluido no sistema. Estas operações tornam-se necessárias, visto que, as jazidas apresentam redução em sua porosidade devido ao depósito de partículas sólidas e minerais, que obstruem parcialmente os espaços e os canais nas proximidades do poço, dificultando o fluxo do petróleo, e diminuindo sua capacidade de produção.

Nesta operação formulações de ácidos são injetados no poço através das tubulações de aço inoxidável, que com o tempo passam por um processo conhecido como corrosão, onde a deterioração do material produz alterações prejudiciais e indesejáveis nos elementos estruturais das ligas metálicas. Devido ao custo da corrosão, cientistas tentam criar inibidores que protegem ou pelo menos, minimizam este problema, uma vez que, é impossível eliminá-lo.

O objetivo da pesquisa foi desenvolver uma formulação que servirá como inibidor de corrosão e será utilizada em processos de acidificação dos poços de petróleo.

O Professor Edimir afirma que “a relevância do petróleo no sistema econômico mundial justifica o grande investimento, quantidade de inovações no setor e a necessidade de proteção do conhecimento desenvolvido, como chave para a competitividade. As tecnologias desenvolvidas no CENPES por profissionais da Petrobras e/ou por universidades, empresas parceiras e fornecedores resultaram ano passado no depósito de 49 pedidos de patentes nacionais e internacionais, nos segmentos de exploração e produção, abastecimento, gás e energia, biocombustível, transporte e serviços”.

Segundo o pesquisador, “esta conquista é o reconhecimento de um longo trabalho e representa o empenho como pesquisador e a vontade de inovar.” Para ele, “os desafios enfrentados e superados durante a execução deste projeto, reconhecidos neste evento, são frutos da confiança depositada pelos coordenadores Peter Rudolf Seidl e Maria José O. Guimarães (UFRJ) e do know how destes”. Também fizeram parte do grupo os pesquisadores: Sônia Maria Cabral de Menezes e Ilson Palmieri Baptista (Cenpes) e Marcella Baratta Ribeiro Moura (Graduanda da UFRJ).

Na avaliação do Coordenador do Curso de Pós-Graduação em Processos Químicos e Bioquímicos - PPGTP, professor Dr. Mário Antônio Alves da Cunha, tanto a pesquisa como o reconhecimento vêm ao encontro dos objetivos do Programa. "Considero esta premiação como um importante indicador para o conceito do programa perante a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES”. Mario destaca, ainda, que “esta é a primeira patente de um docente do Programa, e existem outros trabalhos de pesquisadores do grupo com possibilidades de serem patenteados”.

Patentes concedidas, artigos publicados em revistas conceituadas, projetos de pesquisa submetidos aos órgãos de fomento, são exemplos úteis para ilustrar o impacto do programa na comunidade científica, como também para demonstrar o engajamento de professores e alunos da pós-graduação nas diversas linhas de pesquisas com possíveis consequências para o desenvolvimento regional e nacional.

O Prêmio

O prêmio foi criado em 2001, para estimular a concepção de tecnologias inovadoras e, até o ano passado, a iniciativa já havia concedido o prêmio a mais de 1.800 profissionais. Hoje, a Petrobras é uma das empresas que mais depositam patentes no mundo, entre as inovações mais de 700 projetos já tiveram o título jurídico outorgado.

professor Edimir - PETROBRÁS

professor Edimir - PETROBRÁS 2

professor Edimir - PETROBRÁS 1

Certificado conferido ao Prof. Dr. Edimir Andrade Pereira