Aviso: O site da UTFPR está sendo reestruturado. Você está visitando a nossa página antiga.

As atualizações estão sendo realizadas na nova versão, disponível aqui

Você está aqui: Página Inicial patobranco Estrutura do Câmpus Assessorias Assessoria de Comunicação Comunicação e Imprensa Notícias 2014 Dezembro Eficiência Energética

Eficiência Energética

Pato a Jato conquista o 2º lugar em duas categorias na 11ª Maratona Universitária da Eficiência Energética

As equipes Pato a Jato e Tubarão Branco, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Câmpus Pato Branco participaram de 24 a 28 de novembro da 11ª Maratona Universitária de Eficiência Energética, realizada no Kartódromo Ayrton Senna, em Interlagos, zona sul de São Paulo.

A comitiva integrada por 25 acadêmicos, acompanhada dos professores Márcio Tadayuki Nakaura, Bruno Bellini Medeiros e Osis Eduardo Silva Leal, participou das três modalidades da maratona, categorias etanol, elétrico e gasolina.

A competição contou com 77 protótipos de 47 universidades procedentes de dez estados brasileiros (SP, RJ, PR, SC, RS, MG, MT, BA, MA, PI). O evento contou com a participação de mais de 500 estudantes competidores.

A Maratona

A Maratona Universitária da Eficiência Energética é uma competição que oferece o desafio para estudantes de escolas de ensino superior na área de engenharia criar o protótipo de veículo mais econômico do Brasil, movidos por gasolina, etanol ou eletricidade.

Conforme estabelece a competição, durante a prova, os veículos das categorias gasolina e etanol usam um pequeno frasco de 250ml de combustível fornecido pela organização, pesado antes de entrar na pista e depois que retorna. O que define a classificação é o controle do peso da massa de combustível utilizado para percorrer o percurso.

Os protótipos movidos a motor elétrico entram para o circuito com exatamente a mesma carga mínima na bateria. Depois de percorrerem a distância mínima de oito voltas é feita a medição da carga restante pelo Joule Meter. O protótipo vencedor é aquele que ficar com mais carga na bateria.

Resultados

A vitória nas categorias gasolina e etanol consistiu no protótipo que fez o percurso gastando menos combustível, depois dos três dias de tentativas. No caso dos movidos à eletricidade o vencedor foi o que gastou menos energia, também ao término do período de competição.

Na categoria etanol o protótipo Paranauê (numeral 50), pilotado pelo acadêmico Anderson Besbatti, alcançou o segundo lugar da competição nacional com a marca de 252,014 Km/l, com uma diferença de apenas 3 quilômetros por litro do protótipo campeão, que foi o Instituto Mauá de Tecnologia (SP). Ao todo 16 veículos disputaram a modalidade.

Desbancando outros 36 projetos da Maratona, na categoria gasolina, o protótipo Popygua (numeral 19), também do Câmpus Pato Branco, pilotado por Luis Carlos Biesek, atingiu 309,355 Km/l, conquistando o segundo lugar na classificação final, ficando atrás apenas do mesmo campeão da categoria etanol (Instituto Mauá de Tecnologia).

O protótipo Baby Shark, pilotado pela acadêmica Luma Oliveira, na categoria elétrico, não completou a prova por problemas técnicos. No total competiram 23 projetos nesta modalidade.

As classificações obtidas superaram marcas de outros grandes projetos concorrentes, a saber, de universidades renomadas como: UFMG, USP, UFPR, Unicamp, UFSC, UFRGS e UFSM.

O anúncio dos vencedores foi feito por Emerson Fittipaldi, no dia 28. Como premiação, os projetos vice-campeões nas categorias etanol e gasolina asseguraram como premiação dois veículos Renault, para uso nos laboratórios da área de Mecânica do Câmpus.

O relato da experiência para os capitães das equipes, Rodrigo Wendhausen Xavier e Jean Leonel Carlesso, revela a importância do grau de envolvimento de todos os integrantes das equipes.

“O projeto eficiência energética é um projeto multidisciplinar. Nós como alunos temos a iniciação com relacionamento interpessoal, formando os primeiros contatos com empresas e colegas de trabalho. Nossos primeiros projetos são testados na prática, evidenciando o cumprimento de metas e cronogramas, dos quais iremos encontrar no mercado de trabalho”, destaca Rodrigo. O acadêmico diz ainda, que “as metas que obtivemos ao longo deste ano com o projeto foram ousadas, pois tínhamos um grande potencial para competir na categoria etanol e no entanto a categoria gasolina não tinha alcançado grandes colocações. Ao longo de um ano de muita dedicação, conquistamos resultados ótimos, dos quais deixaram nossa equipe com o vice-campeonato na categoria mais concorrida da competição”.

Chegar a esses resultados não é tão simples quanto parece, conforme afirma Jean Leonel Carlesso. “Os desafios propostos pelo projeto são diversos, além da dificuldade de conciliar o curso com o desenvolvimento do mesmo, apresenta diversos problemas não vistos em sala de aula, tanto técnicos quanto administrativos”. O acadêmico ressalta que, sendo um dos capitães “tinha a responsabilidade de manter o grupo unido e focado em um único objetivo, o projeto, a fabricação e, principalmente, a validação de um projeto com alta eficiência energética”.

Para o Coordenador das equipes, professor Márcio, “a participação na Maratona de Eficiência Energética tem como objetivos o desenvolvimento técnico e a interação dos acadêmicos e, neste sentido, o trabalho em equipe, a aplicação e a criação de ideias são fundamentais para a melhoria do desempenho das equipes e dos veículos”.

Todos os anos é um desafio o preparo para a competição e, conforme declara o coordenador, “o processo de melhoria dos projetos é contínuo. Acompanhar o avanço tecnológico e aplicá-lo nos veículos possibilita os bons resultados obtidos. Cada melhoria conquistada é repassada de ano em ano para os integrantes das próximas equipes. O projeto deixa assim, o seu legado para a Universidade”, conclui o coordenador.

Com esta premissa, os projetos vêm sendo aperfeiçoados no decorrer das edições da Maratona, os excelentes resultados vêm surgindo, conforme avalia o vice-coordenador do curso de Mecânica, professor Luiz Carlos Martinelli Junior. “A conquista das equipes em 2014 é resultado do esforço particular dos alunos com apoio da direção da UTFPR-PB em desenvolver a experiência prática com objetivos claros, aplicando conhecimentos recebidos nos Cursos de Engenharia e outros cursos do Câmpus”, enfatiza Martinelli. Ele revelou ainda que “a coordenação está buscando a melhoria de uma estrutura física (espaço) dentro do Câmpus, para possibilitar uma organização de projetos e produção/montagem dos veículos”.

Para o desenvolvimento dos protótipos desta edição da maratona, as equipes contaram com apoio da Instituição e das empresas parceiras: Alcast, Aramart – Indústria de Aramados, Arqueria Popygua, Branco Motores, Dobratec, Funditech, GP Combustíveis, Injepro, Isoterm, JGS – Ferramentas e equipamentos, Magnetron, Onix Tintas, Patoeste, Rozimbo Peças, ST Usinagem, Tramontini moldes e matrizes e Verona mecânica e auto-center.

 foto 3

Atualizado 02/12/2014