Aviso: O site da UTFPR está sendo reestruturado. Você está visitando a nossa página antiga.

Neste momento de transição, algumas atualizações estão sendo realizadas na nova versão, disponível aqui

ESTRUTURA CURRICULAR

Estrutura Curricular

A Estrutura Curricular do Programa de Pós-Graduação em Letras é composta por Disciplinas Obrigatórias, Disciplinas Eletivas, Atividades Especiais e Complementares, Estágio de Docência, Seminários Avançados de Pesquisa, Exame de Qualificação e Defesa de Dissertação.

 

Disciplinas Obrigatórias

O objetivo dessas disciplinas é fornecer ao mestrando uma formação crítica e teórica voltada para os campos disciplinares que compõem as respectivas Linhas de Pesquisa. Ao cursar as disciplinas o discente consolidará os fundamentos conceituais referentes à linha de investigação escolhida.

 Linha de Pesquisa Literatura, Sociedade e Interartes

      • Literatura e Sociedade: Diálogos Culturais e Comparativismos
  •  Linha de Pesquisa Linguagem, Educação e Trabalho
      • Estudos da Linguagem: Educação, Trabalho e Cultura


Disciplinas Eletivas

Têm como objetivo principal aprofundar aspectos específicos do conhecimento relacionados à Linha de Pesquisa pela qual optou o pós-graduando, fornecendo-lhe subsídios para o desenvolvimento de sua pesquisa.

Linha de Pesquisa Literatura, Sociedade e Interartes

      • Literatura, Cultura e Política em Espaços Lusófonos
      • Literaturas Pós-coloniais de Língua Inglesa
      • Marcas da Ordem Patriarcal em Romances Brasileiros
      • Pós-modernidade e Literatura Latino-americana: Narrativas em Foco
      • Tradução e Literatura
      • Literatura Fantástica

 

  •  Linha de Pesquisa Linguagem, Educação e Trabalho
      • Educação Linguística para a Multiculturalidade
      • Ensino-aprendizagem de Gêneros: Instrumento para o Desenvolvimento do Trabalho Docente
      • Formação de Professores de Llínguas Estrangeiras Modernas
      • Linguagem e Desenvolvimento Humano
      • Relações entre Linguagem e Atividade em Contextos Educacionais e de Trabalho
      • Trabalho, Educação e Linguagem

 

Atividades Especiais e Complementares

A finalidade dessas atividades é complementar a formação do mestrando mediante interação acadêmica nos âmbitos interno e externo ao Programa. As mesmas consistem em participação em evento científico, regional, nacional e/ou internacional com apresentação de trabalho; publicação de trabalho nos Anais de um evento científico e submissão de artigo em periódico científico qualificado pela área de avaliação Letras/Linguística da Capes.

 

Seminários Avançados de Pesquisa

Os Seminários Avançados de Pesquisa serão ofertados em dois módulos, sendo o primeiro ao final do primeiro semestre de ingresso do acadêmico e o segundo após o exame de qualificação. Os Seminários correspondem a atividades de apresentação da pesquisa desenvolvida pelo mestrando, com o objetivo de socializar os estudos individuais e colocá-los em debate frente à comunidade científica da área de estudos.

 

Estágio de Docência

Consiste no desenvolvimento de atividades de docência em cursos de graduação sob a supervisão de um docente do PPGL.

 

Exame de Qualificação

O Exame de Qualificação, que ocorrerá na presença de três professores do Programa, incluindo o orientador, deverá ser realizado até o final do terceiro semestre, contado a partir da matricula inicial do candidato como aluno regular do PPGL.

 

Defesa de Dissertação

Será realizada em sessão pública, na qual os membros da banca examinadora arguirão o candidato a respeito do trabalho realizado e materializado na dissertação de mestrado.

 

Requisitos para obtenção do Título

A integralização dos estudos no PPGL é expressa em unidades de crédito, sendo cada crédito correspondente a 15 horas de atividade. Para a obtenção do título de Mestre em Letras o candidato deve obter:

  • quatro créditos na disciplina obrigatória da linha de pesquisa escolhida
  • doze créditos em disciplinas eletivas
  • seis créditos em Atividades Especiais e Complementares
  • seis créditos em Seminários Avançados de Pesquisa
  • dois créditos em Estágio de Docência

O candidato deverá, ainda, ser aprovado em Exame de Suficiência em Língua Inglesa, ser aprovado no Exame de Qualificação e ser aprovado na defesa de sua Dissertação de Mestrado em sessão pública.

Ações do documento

Ementário PPGL

 EMENTÁRIO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS

  • Linha de Pesquisa: Literatura, Sociedade e Interartes

Disciplina Obrigatória 

 Literatura e sociedade: diálogos culturais e comparativismos

Obrigatória: Sim

Carga Horária: 60

Créditos: 04

Ementa: A literatura compreendida pelo viés do comparativismo e sua inter-relação com os estudos culturais e transmidiáticos. A aproximação da literatura a outras linguagens artísticas e a análise de suas condições sociais, históricas e institucionais na contemporaneidade. A crítica à representação dos valores que orientam os códigos culturais e estéticos. A representação artística de categorias sociológicas. A construção do imaginário como empreendimento coletivo.

Bibliografia:

 AUERBACH, Erich. Mimesis. São Paulo: Perspectiva, 2004.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de Literatura e de Estética. A teoria do romance. São Paulo: Editora UNESP/Hucitec, 2010.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas. Magia e técnica, arte e política – Ensaios sobre literatura e história da cultura. 8 edição. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.

BRUNEL, P.; PICHOIS, C. & ROUSSEAU, A.M. Que é literatura comparada? 2 edição. Trad. C. Berretini. São Paulo: Editora Perspectiva, 2012.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas híbridas. Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. São Paulo: Edusp, 2000.

CÂNDIDO, Antônio. Literatura e sociedade. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1985.

CARVALHAL. Tânia Franco e COUTINHO, Eduardo F. (org.). Literatura Comparada – textos fundadores. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

COSTA LIMA, Luiz. Mimesis e modernidade. Rio de Janeiro: Graal editora, 2003.

EAGLETON, Terry. Marxismo e crítica literária. São Paulo: Unesp, 2011.

FIGUEIREDO, Eurídice. Conceitos de literatura e cultura. Juiz de Fora: UFJF, 2005.

HALL, Stuart.  A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2006.

HAUSER, Arnold. História Social da Arte e da Literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

JAUSS, Hans Robert.  A literatura como provocação. Lisboa: Ed. Passagens, 1993.

NITRINI, S. Literatura comparada. São Paulo: EDUSP, 2010.

PLAZA, Julio. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2000.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO experimental org.; Ed. 34, 2009.

SAID, Edward W. Representações do intelectual: As conferências Reith de 1993. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

SARLO, Beatriz. Tempo Passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007. 

STAM, Robert. A literatura através do cinema. Belo Horizonte: Edit. UFMG, 2009.

 

  • Linha de Pesquisa: Literatura, Sociedade e Interartes

Disciplinas Eletivas

 PÓS-MODERNIDADE E LITERATURA LATINO-AMERICANA: NARRATIVAS EM FOCO

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Estudo comparativo entre obras selecionadas da literatura latino-americana contemporânea, com ênfase no diálogo entre estas sob a luz dos estudos da pós-modernidade.

Bibliografia:

 BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulação. Lisboa: Relógio D’água, 1991.

BAUMAN, ZYGMUNT. Mal-estar na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

CHIAPINI, L. & AGUIAR, F. (org.) Literatura e História na América Latina. São Paulo: EDUSP, 2001.

CONNOR, Steven. Cultura Pós-Moderna. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

ECO, Umberto. Pós-escrito a O nome da rosa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

FIGUEIREDO, Euridice (Org.). Conceitos de literatura e cultura. Juiz de Fora: Editora da UFJF; Niterói: EdUFF, 2005.

FUENTES, Carlos. Geografia do Romance. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 10ªed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna. 6ª edição. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Pós-modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

JAMESON, Fredric. Espaço e imagem - teorias do pós-moderno e outros ensaios. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2004.

LIMA, Luiz Costa. “Pós-modernidade: contraponto tropical”, In: Pensando nos trópicos. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio, 2011.

SANTIAGO, Silviano. As raízes e o labirinto da América Latina. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.

      . “O entre-lugar do discurso latino-americano”. In: SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos. 2. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2000. p. 9-26.

      . “Paródia-pastiche – permanência do discurso da tradição no modernismo”, in Tradição / Contradição (vários autores). Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

 

 LITERATURAS PÓS-COLONIAIS DE LÍNGUA INGLESA

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Observação das dinâmicas entre Sociedade e Cultura, especificamente, a partir das Literaturas estrangeiras, com ênfase no caso anglófono.

Bibliografia:

ACHEBE, Chinua. Things Fall Apart. New York: Anchor Books, 1994.

ASCHCROFT, Bill; Griffiths, Gareth; Tiffin, Helen. The Empire Writes Back: Theory and Practice in Post-Colonial Literatures. London: Routledge, 1989.

BHABHA, Homi. The Location of Culture. London: Routledge, 1994.

BRATHWAITE, Edward Kamau. History of the Voicethe development of nation Language in anglophone Caribbean poetry. London: New Beacon Books, 1984.

      . Black + Blues. New York: New Directions Publishing Corporation, 1974.

CULLER, Jonathan. Teoria Literária: Uma Introdução. São Paulo: Beca Produções, 1999.

HUTCHEON, Linda. The Poetics of Postmodernism. London: Routledge, 1988.

MORRIS, Mervyn. The Faber Book of Contemporary Caribbean Short Stories. London: Faber & Faber, 1990.

SAID, Edward. Culture and Imperialism. USA: Vintage, 1993.

HALL, Stuart. Identidade multicultural na pós-modernidade. S.P., 1998.

HUTCHEON, Linda. The Politics of Postmodernism. London: Routledge, 1989.

GILROY, P. The Black Atlantic. Modernity and Double Consciousness. Cambridge: Harvard University Press, 1994.

SAID, E. Orientalism. Western conceptions of the Orient. London: Penguin Books, 1978.

SPIVAK, G.C. Can the Subaltern Speak?, 1988.

 

Marcas da ordem patriarcal em romances brasileiros

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Leitura, análise e discussão de romances brasileiros em que haja a presença da ordem patriarcal, com o fito de verificar que tais obras ficcionais frequentemente apresentam uma relação conflituosa entre poderosos e despossuídos, em que a relacionamento amoroso estabelece-se marcado pela subalternidade das figuras femininas às masculinas, embora algumas transgressões femininas instaurem a desordem na aparente inabalável ordem patriarcal.

Bibliografia:

BROOKSHAW, David. Raça & cor na literatura brasileira. Trad. Marta Kirst. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1983.

BUENO, Luís. Uma história do romance de 30. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

CANDIDO, Antonio. Ficção e confissão: ensaios sobre Graciliano Ramos. Rio de Janeiro, 34, 1999.

____. Os olhos, a barca e o espelho. In: ____. A educação pela noite e outros ensaios. 6. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011.

DAMATTA, Roberto. A casa & a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

DEL PRIORE, Mary (Org.) & PINSKI, Carla Bassanezi (Coord. textos). 10. ed. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2011.

FRANCO, Maria Sylvia Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. 4. ed. São Paulo: Unesp, 1997.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 51. ed. rev. São Paulo: Global, 2006.

GLEDSON, John. Machado de Assis: impostura e realismo: uma reinterpretação de Dom Casmurro. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

GARBUGLIO, José Carlos; BOSI, Alfredo; FACIOLI, Valentim. Graciliano Ramos: antologia e estudos. Participação especial: Antonio Candido et al. São Paulo: Ática, 1987. (Coleção Escritores Brasileiros).

HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org.). Tendências e impasses. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

QUEIROZ JÚNIOR, Teófilo. Preconceito de cor e a mulata na literatura brasileira. São Paulo: Ática, 1982.

REIS, Roberto. A permanência do círculo: hierarquia no romance brasileiro. Niterói, EDUFF; Brasília: INL, 1987.

RIBEIRO, Luis Filipe. Mulheres de papel: um estudo do imaginário em José de Alencar e Machado de Assis. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária; Fundação Biblioteca Nacional, 2008.

SCHWARZ, Roberto. A poesia envenenada de Dom Casmurro. In: ______. Duas meninas. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

____. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. S. Paulo: Duas Cidades, 2000.

____. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. 5.ed. S. Paulo: Duas Cidades; 34, 2012.

SÜSSEKIND, Flora. Tal Brasil, Qual Romanceuma ideologia estética e sua história: o naturalismo. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.

VIANNA, Lúcia Helena. Cenas de amor e morte na ficção brasileira: o jogo dramático da relação homem-mulher na literatura. Niterói: EDUFF, 1999.

XAVIER, Elódia. Declínio do patriarcado: a família no imaginário feminino. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Tempos, 1998.

 

LITERATURA, CULTURA E POLÍTICA EM ESPAÇOS LUSÓFONOS

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Investigações do espaço lusófono e de suas vertentes nacionais ou transnacionais. As relações entre estética e política, cultura e poder e nas figurações e reconfigurações identitárias contemporâneas.  Análise de textos literários, teóricos, ensaísticos e de intervenção. A lusofonia como campo de convergências, diferenças e de contrastes nas negociações discursivas e simbólicas literárias.

Bibliografia:

AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.

ANTUNES, António Lobo. Boa tarde às coisas aqui embaixo. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

CANDIDO, Antonio. O discurso e a Cidade. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2010.

___. Literatura e Sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011.

COSTA LIMA, Luiz (sel. , org. e trad.) A literatura e o leitor: textos de estética da recepção. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

EAGLETON, Terry. Marxismo e crítica literária. São Paulo: UNESP, 2011.

___. Depois da Teoria. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos. V. III. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Trad. Inês Autran Dourado Barbosa. São Paulo: Forense Universitária, 2006.

LOURENÇO, Eduardo. Portugal como Destino seguido de Mitologia da Saudade. Lisboa: Gradiva, 2001.

      .  A Nau de Ícaro. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

      .  O labirinto da saudade: psicanálise mítica do destino português. Lisboa: Dom Quixote, 2003.

___. Fernando Pessoa: Rei de nossa Baviera. Lisboa: Gradiva, 2008.

MACEDO. Helder. Trinta Leituras. Lisboa: Editorial Presença, 2009.

MARTINS, Fernando Cabral (Org.). Dicionário de Fernando Pessoa e do Modernismo Português. São Paulo: Leya, 2008.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falava Zaratustra: um livro para todos e para alguns. São Paulo: Escala, 2011.

NEGREIROS, Almada. Nome de Guerra. Porto: Assírio & Alvim, 2005.

PESSOA, Fernando. (Bernardo Soares) Livro do Desassossego. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.   

PIRES, José Cardoso. O Delfim. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

SARTRE, Jean-Paul. Em defesa dos Intelectuais. Lisboa: Atica, 1994.

 

TRADUÇÃO E LITERATURA

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Polissistemas culturais, literários e tradução. Teorias descritivistas da tradução. Processo, produto e agentes da tradução literária. A ideologia nos textos traduzidos. Pesquisa nos estudos da tradução literária.

 

Bibliografia:

BAKER, M. e SARDINHA, B. Routledge Encylopedia of Translation Studies. Londres: Routledge, 1998.

BASSNETT, Susan. Estudos de Tradução. Trad. Gehring, S. T, Abreu, L. V e Antinolfi, P. A. R. Porto Alegre: Editora da UFRG, 2005.

EVEN-ZOHAR, Itamar. Polysystem Studies. Poetics Today, [s/l], v. 11, n. 1, 1990, p.10-27. Disponível em: <http://www.tau.ac.il/~itamarez/works/books/ez-pss1990.pdf>. Acesso em: jan. 2014.

EVEN-ZOHAR, Itamar “The Position of Translated Literature within the Literary Polysystem”. In Lawrence Venuti (ed.) The Translation Studies Reader, Londres e Nova Iorque, Routledge, 2000.

FURLAN, Mauri. “Brevíssima história da teoria da tradução no Ocidente: I. Os Romanos”, in Cadernos de Tradução nº VIII. Florianópolis: PGET, 2003. (p.11-28)

FURLAN, Mauri. “Brevíssima história da teoria da tradução no Ocidente: II. Idade Média”, in Cadernos de Tradução nº XII. Florianópolis: PGET, 2005. (p.09-28)

FURLAN, Mauri. “Brevíssima história da teoria da tradução no Ocidente: II. Final da Idade Média e o Renascimento”, in Cadernos de Tradução nº XIII. Florianópolis: PGET, 2005. (p.09-25)

GENTZLER, Edwin. Teorias Contemporâneas da Tradução. Trad. Marcos Malvezzi. 2.ed.rev. São Paulo: Madras, 2009.

GENETTE, Gerard. Paratextos editoriais. Trad. de Álvaro Faleiros. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.

GUERINI, Andréia; TORRES, Marie-Hèléne Catherine; COSTA, Walter (orgs.). Literatura e Tradução: textos selecionados de José Lambert. Rio de Janeiro: 7Letras, 2011.

HERMANS, T. Literary Translation. In: KUHIWCZAK, Piotr; LITTAU, Karin. A Companion to Translation Studies. Londres: Multilingual Matters LTD, 2007.

HERMANS, Theo. The Manipulation of Literature. Londres/Sidney: Croom Helm, 1985.

LEFEVERE, Andre. Rewriting and the manipulation of literary fame. Londres: Routledge, 1992.

MILTON, John. O clube do livro e a tradução. Bauru: EDUSC, 2002.

PYM, Anthony. Exploring translation theories. Nova Iorque: Routledge, 2010.

ROBINSON, Douglas. Construindo o tradutor. Bauru: EDUSC, 2002.

TOURY, Gideon. Descriptive Translation Studies and Beyond. Revised Edition. Philadelphia: John Benjamin Publishings, 2012.

VENUTI, Lawrence. Escândalos da tradução: por uma ética da diferença. Trad. de Laureano Pelegrin, Lucinéia Marcelino Villel, Marileide Dias Esqueda, Valéria Biondo. Revisão técnica Stella Tagnin. Bauru, SP: EDUSC, 2002.

VENUTI, Lawrence. Translation Studies Reader. Nova Iorque e Londres: Routledge, 2003.

WILLIAMS, Jenny; CHESTERMAN, Andrew. The map: a beginner’s guide to doing research in Translation Studies. Manchester, Reino Unido: St Jerome Publishing, 2002.

 

 

LITERATURA FANTÁSTICA

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Delimitações do fantástico; o romance gótico; caminhos da prosa fantástica do século XIX ao século XX; o fantástico na literatura brasileira.

Bibliografia:

CARROL, Noël. A filosofia do horror. Campinas, SP: Papirus, 1999.

CAUSO, Roberto de Sousa. Ficção Científica, Fantasia e Horror no Brasil – 1875 a 1950. Belo Horizonte: editora UFMG, 2003. 

CESERANI, Remo. O Fantástico. Curitiba: Ed. UFPR, 2006.

COUTINHO, Afrânio. A literatura no Brasil vol. 3. São Paulo: Global editora, 1997.

__________. A literatura no Brasil vol. 4. São Paulo: Global editora, 1997.

FERREIRA, Cid Vale. Org. Voivode – estudos sobre os vampiros. Jundiaí, SP: Pandemonium, 2002.

HUGO, Victor. Do grotesco e do sublime – tradução do prefácio de Cromwell. São Paulo: Perspectiva, 2002.

KOTHE, Flávio Rene. A narrativa trivial. Editora UNB, 1994

LECOUTEX, Claude. História dos vampiros – autópsia de um mito. São Paulo: ed. UNESP, 2005.

LOVECRAFT, Howard Phillips. O horror sobrenatural na literatura. Trad. João Guilherme Linke. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora S.A, 1987.

MAGALHÃES, Célia. Os monstros e a questão racial na narrativa modernista brasileira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MONTEIRO, Maria Conceição. Na aurora da modernidade: a ascensão dos romances gótico e cortês na literatura inglesa. Rio de Janeiro: Caetés, 2004.

PRAZ, Mário. A carne, a morte e o diabo na literatura romântica. Trad. Philadelpho Menezes. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1996.

RODRIGUES, Selma Calasans. O Fantástico. Série Princípios. São Paulo: Ática, 1988.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à Literatura Fantástica. São Paulo: Perspectiva, 2003.

UTOPIAS E DISTOPIAS NA LITERATURA UNIVERSAL DE FICÇÃO CIENTÍFICA

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Leitura e estudo de obras da Literatura Universal numa perspectiva da análise dos discursos com o objetivo de discutir as construções utópicas e distópicas que orquestram as representações sociais na visão da alteridade perfeita

Bibliografia:

ADORNO, T. Notas Sobre Literatura. Tradução de Jorge de Almeida. Ed. 34, São Paulo, 2007.

AUERBACH, E. Mimeses: A representação da realidade na literatura Ocidental. Tradução de Georg Bernard Sperber. Ed. Perspectiva, São Paulo, 1971.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. Martins Fontes, São Paulo, 2003.

_________. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

_________. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1988.

CHAUI, Marilena. Notas sobre a utopia. Ciência e Cultura, São Paulo, vol. 60, n. spe. 1, julho 2008.

CLAEYS, Gregory. Utopia: a história de uma ideia. Trad. Pedro Barros. São Paulo: Edições SESC SP, 2013.

FOCAULT, M. Vigiar e punir. História da violência nas prisões. Ed. Vozes. 2001

Sugestão de leituras:

ASIMOV, Isaac. The Ugly Little Boy. Fonte digital

BEZERRA, Paulo. Dostoiévsky: Bobók. Tradução e análise do conto. São Paulo. Ed. 34, 2005.

H. G. Wells . A máquina do tempo. Fonte digital

Huxley, Aldous. Admirável mundo novo. Fonte Digital

JAMES TIPTREE, Jr. Women Men Don’t See. Fonte digital

SHELLEY, Mary Frankenstein. Fonte digital

Rosa, Guimarães. Um moço muito branco. Fonte digital

SAINT-EXUPÉRY, Antoine de. O pequeno príncipe. Rio de Janeiro, Editora Agir, 2009. Aquarelas do autor. 48ª edição / 49ª reimpressão. Tradução por Dom Marcos Barbosa.  93 páginas.

VONNEGUT, Kurt. Tomorrow, tomorrow and tomorrow. Fonte digital

SUJEITO, LITERATURA E CINEMA DAS CULTURAS DE LÍNGUA INGLESA

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Estudos e reflexões sobre temáticas que focam a representação do sujeito na literatura e no cinema no escopo das culturas de língua inglesa. Compreensão crítica de que leituras constituem-se ideologicamente, ou seja, de acordo com as perspectivas que instauramos e culturas a que pertencemos. A representação social e cultural do sujeito em textos literários e/ou fílmicos e o inter-relacionamento destes com teorias e críticas da atualidade. Percepção crítica de métodos de análise literária e/ou fílmica. 

Bibliografia:

HIGH, Peter B. Outline of American literature. Londres: Longman, 1986.

D’ONOFRIO, Salvatore. Forma e sentido do texto literário. São Paulo: Ática, 2007.

HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, c1995.

YOUNG, Tory. Studying English literature: a practical guide. New York: Cambridge UP, 2008.

Bibliografia Complementar:

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulação. Trad. de Maria João da Costa Pereira. Lisboa: Relógio D’Água, 1991.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Trad. de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. 2. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.

CAMUS, Albert. Mito de Sísifo. Trad. de Ari Roitman e Paulina Watch. São Paulo: Record, 2006.

DU BOIS, William Edward Burghardt. As almas da gente negra. Trad. de Heloísa Toller Gomes. Rio de Janeiro: Lacerda ED., 1999.

FREUD, Sigmund. O ego e o id e outros trabalhos – 1923-1925. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Trad. de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

GILBERT, Sandra M.; GUBAR, Susan. The madwoman in the attic: the woman writer and the nineteenth-century literary imagination. New Haven e Londres: Yale UP, 1984.

HALL, Stuart: A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. de Tomás Tadeu da Silva. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

HURSTON, Zora Neale. “How it feels to be colored me.” In: I love myself when I am laughing... and then again when I am looking mean and impressive: a Zora Neale Hurston reader. Org. de Alice Walker. Nova York: Feminist Press, 1979.

LACAN, Jacques. “O estádio do espelho como formador da função do eu”. In: Escritos. Trad. de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.

LEITCH, Vincent (org). The Norton anthology of theory and criticism. Londres e Nova York: Norton, 2001.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Trad. de Vera Ribeiro. São Paulo: Círculo do Livro, 1994.

 

  • Linha de Pesquisa: Linguagem, Educação e Trabalho

Disciplina Obrigatória

ESTUDOS DA LINGUAGEM: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CULTURA

Obrigatória: Sim

Carga Horária: 60

Créditos: 04

Ementa: As esferas discursivas e suas relações com a cultura e a sociedade na constituição do sujeito. O  multiculturalismo e a ação/atividade  na  educação e no trabalho. O processo de ensino-aprendizagem de língua como prática social. A formação do professor. Perspectivas educacionais progressistas. A linguagem como constitutiva da subjetividade humana: enfoque nos processos históricos. Processos enunciativo-discursivos e a atividade humana no trabalho e na educação.

Bibliografia:

ABREU-TARDELLI, Lilia Santos de; CRISTÓVÃO, Vera Lúcia Lopes (Orgs.). Linguagem e educação: o trabalho do professor em uma nova perspectiva. Campinas: Mercado de Letras, 2009.

BAKHTIN, Mikhail (VOLOSHINOV). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo, SP: Editora Hucitec. Tradução de Michel Lahud& Yara F. Vieira, 2012.

      . Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes. Tradução de Paulo Bezerra, 2011.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I. Tradução de Maria da Glória Novak e Maria Luisa Neri. 5ª ed. Campinas: Pontes, 2005. v. 1.

BRONCKART, Jean Paul. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Tradução e Organização Anna Rachel Machado e Maria de Lourdes Matêncio. São Paulo: Mercado das Letras, 2006.

CLOT, Yves. A função psicológica do trabalho. Petrópolis: Editora Vozes. Tradução de Adail Sobral, 1999/2006.

      .Trabalho e poder de agir. Tradução de Guilherme J. F. Teixeira e Marlene M. Z. Vianna. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2008/2010.

DANIELS, Harry. Vygotsky e a pedagogia. Tradução de Milton Camargo Mota. São Paulo: Editora Loyola,2003.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso.8 ed. São Paulo: Loyola, 2012.

      . Microfísica do poder. 18 ed. São Paulo: Graal, 2012.

      .Vigiar e punir. 26 ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

GADETT, Françoise; HAK, Tony. (Orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 2ª. ed. São Paulo: Editora Unicamp, 2010.

GNERRE, Maurizio. Linguagem, escrita e poder. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

GUÉRIN, François et al. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. São Paulo: Edgard Blücher, 2001.

LURIA, Alexander Romanovich. Pensamento e linguagem: as últimas conferências de Lúria. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.   

MACHADO, Anna Rachel (Org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. 2ª ed.Trad. MariaCecília Pérez de Souza-e-Silva & Décio Rocha. São Paulo: Cortez, 2011.

ORLANDI, Eni.  As formas do silêncio: o movimento dos sentidos. Editora Unicamp, 2007.

SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

SCHWARTZ, Yves. & DURRIVE, Louis. (Orgs.)Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. Tradução de Milton Athayde e Jussara Brito. 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora da UFF, 2010.

VIGOTSKI, Lev Semenovitch. Psicologia da arte. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

      . Pensamento e linguagem. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes,    2003.

 

  • Linha de Pesquisa: Linguagem, Educação e Trabalho

Disciplinas Eletivas

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS MODERNAS

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Investigações sobre a formação do professor de línguas estrangeiras modernas e da situação atual de ensino de línguas estrangeiras modernas em contexto brasileiro com base em perspectivas crítico-reflexivas e no quadro teórico-metodológico do Interacionionismo Sociodiscursivo.

Bibliografia:

ABREU-TARDELI, L. S. ; CRISTOVÃO, V. L. L (Orgs.). Linguagem e educação: o trabalho do professor em uma nova perspectiva. Campinas: Mercado de Letras, 2009.

BARBOSA, R. L. L. (Org.). Trajetórias e perspectivas da formação de educadores. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

BARCELOS, A. M. F. (Org.). Linguística aplicada: reflexões sobre ensino e aprendizagem de língua materna e língua estrangeira. Campinas: Pontes Editores, 2011.

BARROS, S. M.; ASSIS-PETERSON, A. A.(Org.). Formação de professores de línguas: desafios e possibilidades. São Carlos: Pedro & João editores, 2010.

BERTOLDO, E. S. (Org.). Ensino e aprendizagem e a formação do professor: perspectivas discursivas. São Carlos: Claraluz, 2009.

CRISTOVÃO, Vera Lúcia Lopes. (Org.) Atividade Docente e Desenvolvimento. Campinas: Pontes Editores, 2011.

GIMENEZ, T., JORDÃO C. M. ; ANDREOTTI, V. (Orgs.). Perspectivas educacionais e o ensino de inglês na escola pública. Pelotas: EDUCAT. 2005.

GIMENEZ, T. ; MONTEIRO, M.C. G.  (Orgs.). Formação de professores de línguas na América Latina e transformação social. Campinas, Pontes Editires, 2010.

GUIMARÃES, A. M. M.; MACHADO, A. R. COUTINHO, A. (Orgs.). O Interacionismo sociodiscursivo: questões epistemológicas e metodológicas. Campinas: Mercado de Letras, 2008.

JORDÃO, C., M.; MARTINEZ, J.Z.; HALU, R.C.(Orgs.). Formação ‘desformatada’: práticas com professores de línguas. Campinas: Pontes Editores, 2011.

LEFFA, V. J. (Org.). O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. Pelotas: EDUCAT, 2006.

MAGALHÃES, M. C. C. (Org.). A formação do professor como um profissional crítico: linguagem e reflexão. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

SZUNDY, P.  T. C. et al. (Org.). Linguística Aplicada e Sociedade: ensino e aprendizagem de línguas no contexto brasileiro. Campinas,SP: Pontes Editores, 2011.

 

LINGUAGEM E DESENVOLVIMENTO HUMANO

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Processos de constituição do psiquismo humano na perspectiva da teoria histórico-cultural vigotskiana: a gênese social do psiquismo humano, internalização das funções psicológicas superiores. Relações entre pensamento e linguagem.

Bibliografia:

DELARI JUNIOR, A. Vigotski – consciência, linguagem e subjetividade. São Paulo: Alínea, 2013.

MARX, K. & ENGELS, F. A Ideologia Alemã. São Paulo: Hucitec, 1977.

MOLON, S. I. Subjetividade e constituição do sujeito em Vygotsky. Petrópolis: Vozes, 2010.

PINO, A. S. O conceito de mediação semiótica em Vygotsky e seu papel na explicação do psiquismo humano. Cadernos Cedes, n.24, 1991, p. 32-43.

____. As marcas do humano: as origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev S. Vigotski. São Paulo: Cortez, 2005.

VYGOTSKI, L.S; LURIA, A.R.; LEONTIEV, A. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: EDUSP, 2001.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

      . Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Editora, 2008.

      . Historia del desarrollo de las funciones psíquicas superiores. Obras Escogidas, tomo III. Madrid: Visor/MEC, 1995.

      . A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: WMF, 2011.

 

 RELAÇÕES ENTRE LINGUAGEM E ATIVIDADE EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS E DE TRABALHO

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Teoria do enunciado concreto; teoria dos gêneros do discurso; teoria da atividade; teoria dos gêneros de atividade; intersecções linguagem, atividade, educação, trabalho; metodologia e métodos desenvolvimentistas em pesquisas e intervenções sobre a educação e o trabalho.

Bibliografia:

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal (4ª ed.). (Paulo Bezerra, trad.). São Paulo: Martins Fontes, 2003.

      . (VOLOCHINOV, V. N.). Marxismo e filosofia da linguagem. (Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira, trad.). 10. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. (Guilherme J. F. Teixeira e Marlene M. Z. Vianna, trad.). Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

      . A função psicológica do trabalho. (Adail Sobral, trad.). Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

LIMA, A. P. Visitas técnicas: interação escola-empresa. São Paulo: CRV, 2010.

      . Educação profissional e interação verbal: a função do verbo modal “poder” no diálogo professor-aluno. Linguagem em Dis(curso), v. 09, n.1, jan./abr, 2009.

      . Visitas técnicas e autoconfrontações: a descoberta da atividade do professor na atividade do aluno. Veredas on line, n.1, 2008.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem (Paulo Bezerra, trad.). São Paulo: Martins Fontes, 2001.

      . Psicologia da arte (Paulo Bezerra, trad.). São Paulo: Martins Fontes, 2001.

 

TRABALHO, EDUCAÇÃO E LINGUAGEM

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Relações entre trabalho, educação e linguagem em suas dimensões ontológicas e históricas. Relações entre trabalho e educação nas políticas educacionais brasileiras. Transformações no mundo do trabalho e impactos na educação. Educação escolar como práxis. 

Bibliografia:

ALBARNOZ, Suzana. O que é trabalho. São Paulo: Brasiliense, 2008.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? : Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo, Cortez/Unicamp, 2000.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem. 14ª ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

HOBSBAWN, Eric. Era dos Extremos. O breve século XX 1914-1991. Companhia das Letras, 2ª Ed. 44ª reimpressão. São Paulo, 2011.

KLEIN, Lígia Regina. Trabalho, educação e linguagem. Educar.  Especial. Curitiba: Editora UFPR, 2003.

KUENZER, A. Z. et  al. Educação e trabalho: questões teóricas. Salvador: Fator, 1988.

LOMBARDI, J. C. (org). Globalização, pós-modernidade e educação: história, filosofia e temas transversais. Campinas, SP: Autores Associados: HISTEDBR; Caçador,SC: UnC, 2003.

LUKÁCS, György.  Prolegômenos para uma ontologia do ser social : questões de princípios  para uma ontologia hoje tornada possível. Tradução de Lya Luft e Rodnei Nascimento;  supervisão editorial de Ester Vausman. São Paulo/SP: Boitempo, 2010

MARX, K. e ENGELS, F.  Textos sobre educação e ensino. São Paulo: Centauro, 2004.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo. Boitempo, 2011.

NEVES, Lúcia Maria Vanderlei e PRONKO, Marcela Alejandra. O mercado do conhecimento e o conhecimento do mercado. Rio de  Janeiro, Editora da FIOCRUZ, 2008.

RIBEIRO, Maria Luisa Santos. Educação escolar: que prática é essa? Campinas, SP: Autores Associados, 2001.

ROMANELLI, Otaíza. História da educação  brasileira, 13. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

SAVIANI, Dermeval.  Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política 25.ed. São Paulo: Cortez Autores associados, 1991.

      .Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. In: Revista Brasileira de Educação v. 12 n. 34 jan./abr. 2007, p. 152-180.

      . Política e educação no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

 

ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS: INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO DOCENTE

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Trabalho docente na visão da Ergonomia da Atividade e da Clínica da Atividade. Gêneros como instrumento para o desenvolvimento dos alunos e dos professores. Interacionismo Sociodiscursivo e o modelo de análise de textos.

Bibliografia:

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal (4ª ed.). (Paulo Bezerra, trad.). São Paulo: Martins Fontes, 2003.

      . (VOLOCHINOV, V. N.). Marxismo e filosofia da linguagem. (Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira, trad.). 10. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. (Guilherme J. F. Teixeira e Marlene M. Z. Vianna, trad.). Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

      .A função psicológica do trabalho. (Adail Sobral, trad.). Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, textos e discursos.  Por um interacionismo sócio-discursivo. Trad. A. R. MACHADO. São Paulo: EDUC, 2003.

      .O agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Campinas : Mercado de Letras, 2008.

GUIMARÃES, A. M. MACHADO, A. R.; COUTINHO, A. (Orgs). O interacionismo sociodiscursivo: questões epistemológicas e metodológicas. Campinas: Mercado de Letras, 2007.

MACHADO, A. R. (Org.) O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina : Eduel, 2004.

MACHADO, A.R. e MATÊNCIO, M.L.M. Atividade de Linguagem, Discurso e Desenvolvimento Humano (Orgs.). Campinas: Mercado das Letras, 2006.

MACHADO, A. R. Linguagem e Educação: o ensino e a aprendizagem de gêneros textuais. (Org.) ABREU-TARDELLI, L.; CRISTÓVÃO. V. São Paulo : Mercado das Letras, 2009.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros Orais e Escritos na Escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

 

 

EDUCAÇÃO LINGUÍSTICA PARA A MULTICULTURALIDADE

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: As diferenças e a diversidade na sala de aula. A cultura e as relações discursivas como materialização de práticas. Os objetos de ensino como artefatos ideológicos Interação em sala de aula e a emergência a discursos reproduzidos, subvertidos ou ressignificados.

Bibliografia:

ABDALA JUNIOR, B. (Org.) Margens da cultura: mestiçagem, hibridismo e outras culturas. São Paulo: Boitempo, 2004.

BEREMBLUM, Andréa. A invenção da palavra oficial: identidade, língua nacional e escola em tempos de globalização. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

BHABHA, Homi. O pós-colonial e o pós-moderno: a questão da agência. In: O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP, 2003.

CANDAU, V. M. (org.) Magistério Construção Cotidiana. Petrópolis: Vozes, 2011.

CAVALCANTI, M. C. e BORTONI-RICARDO, S. M. Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas-SP: Mercado de Letras, 2007.

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. 2 ed. Tradução Viviane Ribeiro.Bauru: EDUSP, 2002.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Tradução RuyJungmann. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994.

FERRAÇO, C. E. (Org.) Cotidiano escolar, formação de professores (as) e currículo. São Paulo: Cortez, 2005.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 8. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

HALL, Stuart. A Identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Louro. 11 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

KLEIMAN, A.B.; CAVALCANTI, M. C (Orgs.) Linguística aplicada: suas faces e interfaces. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007.

LEITE, Marli Quadros. Preconceito e intolerância na linguagem. São Paulo: Contexto, 2008.

LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da escola pública: a pedagogia crítica dos conteúdos. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

MARCUSCHI, Luis Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

MOITA LOPES, L. P. (Org.) Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

SANSONE, Lívio. Negritude sem etnicidade: o local e o global nas relações raciais e na produção negra do Brasil. Tradução: Vera Salvador Ribeiro. Salvador: EDUFBA, 2003.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvável) da diferença e se o outro não estivesse aí? Tradução Giane Lessa. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

SIGNORINI, I. (org) Linguagem e Identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Mercado de Letras, 2002.

VAN DIJK, T. A. (Org.) Racismo e discurso na América Latina. São Paulo: Contexto, 2008.

 

FONÉTICA/FONOLOGIA E O TRABALHO DO PROFESSOR COM LÍNGUA MATERNA E LÍNGUA ESTRANGEIRA

Obrigatória: Não

Carga Horária: 45

Créditos: 03

Ementa: Introdução aos Conceitos Básicos; Teorias Fonológicas; Aquisição e Desenvolvimento Fonológico em Língua Materna e Língua Estrangeira; Consciência Fonológica; Relação Som/Grafia e a Aquisição Ortográfica; Fonética e Fonologia e o Trabalho do Professor em Língua Estrangeira e Língua Materna. 

Bibliografia:

BISOL, Leda. Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. Porto Alegre: EDIPUC – RS, 2010.

CALLOU, Dinah; LEITE, Yonne. Iniciação à fonética e à fonologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2015.

EDWARDS, Hansen Jette; ZAMPINI, Mary. Phonology and Second Language Acquisition. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 2008. [disponível em PDF].

FLEGE, James Emil. Second Language Speech Learning Theory, Findings, and Problems. In.: STRANGE, Winifred. Speech perception and linguistic sperience: issues in cross language research. Timonium, MD: York Press, 1995. [disponível em PDF].

HORA, Dermeval da; MATZENAUER, Carmen. Fonologia, fonologias: uma introdução. São Paulo: contexto, 2017.

LAMPRECHT, Regina Ritter. Aquisição fonológica do português: perfil de desenvolvimento e subsídios para terapia. Porto Alegre: Artmed, 2004.

MATTOSO CÂMARA, Joaquim. Estrutura da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Petrópolis, 2009.

MIRANA, Ana Ruth Moresco; MATZENAUER, Carmen. Aquisição da fala e da escrita: relações com a fonologia. Cadernos de educação, UFPEL, 2010. [artigo em pdf]


Ações do documento

Ações do documento