Home
/
O PPGTE
/
Mediações e Culturas

Mediações e Culturas

Publicado 4/19/2017, 11:58:51 AM, última modificação 3/7/2024, 4:18:47 PM

Contexto e Avaliação

A linha de pesquisa Mediações e Culturas integra o Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Sociedade (PPGTE), da Universidade Tecnológica do Paraná – Campus Curitiba. O programa é avaliado pela Coordenação de Área Interdisciplinar da CAPES, em particular pela Câmara Temática II – Sociais & Humanidades, e obteve conceito 5. A  Prof. Dra. Marinês Ribeiro dos Santos é a coordenadora de Mediações e Culturas.

Área de Concentração

O PPGTE tem apenas uma Área de Concentração, Tecnologia e Sociedade, em referência aos campos ou áreas de estudos em Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS), aos estudos sociotécnicos, aos estudos sociais das ciências e das tecnologias (esocite), dentre outras denominações. Um dos pressupostos do Programa, de sua área de concentração, e de suas linhas de pesquisa  é favorecer  compreensões críticas e cidadãs das técnicas e das  tecnologias. O programa conta e articula diferentes abordagens, autores e autoras, escolas de  pensamento e práticas, e tais abordagens não necessariamente são homegêneas, ms independentemente da faceta pela qual se estudam as tecnologias, questionam-se sua universalidade, sua neutralidade, seu determinismo. 

Mediações e Culturas

A linha de Mediações e Cultura tem sua origem em uma reformulação da linha de pesquisa  em  Tecnologia e Interação, esta tendo surgido em 1999, após uma primeira grande reformulação do Programa.  Inicialmente o programa contava com duas áreas de concentração, uma em  Educação e outra Inovação Tecnológica. Tecnologia e Interação, reforçou à época a  estreita correlação entre as tecnologias interativas e as atividades humanas, e coalesceu uma aproximação à área de Interação Ser Humano Computador.

Entretanto, ao longo da primeira década, percebeu-se que os termos tecnologia e interação eram muitas vezes entendidos instrumentalmente apenas como ações realizadas por meio de ferramentas, meios ou artefatos, como se artefatos per se garantissem o sucesso, o desenvolvimento, o aprendizado, a melhoria, recaindo em determinismo tecnológico. O uso da palavra interação passou a ser demasiado restrito na medida em o quado docente da linha foi reforçado com docentes com formação em Artes, Educação Artística, Arquitetura e Design. Optou-se por Mediações. 

A mudança, em 2011, para Mediações e Culturas visou aumentar as possibilidades de compreensão de tecnologia.   Mediações, no plural, visa realçar as abordagens plurais fomentadas na linha e no programa. Tecnologias, nesta acepção, não se restringiram aos artefatos e instrumentos, embora estes as permeiem, são mediações. Assume-se então que o ser humano se faz coletivamente pelas relações sociais, nas mediações (materiais ou simbólicas). Nesta perspectiva, tecnologias são sempre mediações sociais (materiais ou simbólicas), situadas e circunstanciadas axiológica, cultural e historicamente.

Culturas pela razão de sempre serem situadas, localizadas, circunstanciadas, interessadas, de  modo a se contrapor a entendimentos universalizantes e interassadamente rotulados como neutros. Por Culturas, compreendem-se os conjuntos articulados de ações e restrições, interações e influências, relações e técnicas, tendências e desvios, motivações e direcionamentos, recursos e possibilidades presentes em uma sociedade em determinado momento e espaço. Neste sentido, culturas incluem tecnologias, condicionando e transformando-as dialética e dialogicamente. Estas podem ser pesquisadas em uma miríade de perspectivas, ainda que com contradições, e exigem equidade e respeito pelas particularidades e diferenças.

O interesse da linha é pelo conhecimento e pela circulação de técnicas, processos, práticas, artefatos, meios, ambientes e outras mediações. As relações sociais são permeadas de memórias, valores e interesses, que perpassam e matizam, por exemplo, as mídias impressas e interativas, os espaços institucionais e os domésticos, públicos e privados, os processos de aprendizagem e de formação docente, formais e não formais, as relações culturais e interculturais, a construção de subjetividades e suas transformações, dentre outros.

A partir desses pressupostos, a linha Mediações e Culturas desenvolve projetos interdisciplinares nas dimensões histórico culturais das tecnologias como mediações sociais, situadas e circunscritas em diversas culturas e contextos. Busca também discutir as implicações das tecnologias na intermediação de atividades e valores humanos. Constitui, portanto, objetos-chave desta linha de pesquisa a arte, o design, a educação e os media, as comunicações, as culturas.

Sobre os cursos, disciplinas e atividades

Para uma compreensão mais detalhada do programa, sugere-se a estudantes, ou pessoas com interesse no programa, consultar o regulamento vigente, aprovado em 2019,  ou os editais de seleção, com literatura recomendada. Dentre várias outras determinações e exigências, o curso de mestrado exige 24 créditos e o de doutorado 48, sendo que cada crédito equivale a 15h.  Isto implica geralmente em 5 cinco disciplinas de formação  para o mestrado e 8 para o doutorado. Estudantes podem se matricular em  disciplinas ofertadas por outras linhas e por outros programas. Para uma lista completa, ver disciplinas e horários. Geralmente, pois cada estudante pode requerer a validação de alguns créditos cursados anteriormente, dentro de certos critérios. A estudantes de doutorado bolsistas são exigidos experiência comprovada ou dois semestres de estágio docência em nível de graduação. Incluem-se nos créditos:

As disciplinas   Tecnologia e Sociedade I (M/D), e Tecnologia e Sociedade II (D) são obrigatórias e visam uma formação introdutória à área dos estudos em Ciência, Tecnologia e Sociedade, área de concentração do programa.  A primeira é pré-requisito à segunda. As ementas variam de oferta para oferta e o quadro docente que as ministram envolve professores e professoras de diferentes linhas de pesquisa.  Metodologia de Pesquisa (M/D) também é uma disciplina obrigatória, geralmente ofertada no segundo quadrimestre.

Para uma introdução de preparação para o processo de seleção, também recomenda-se um estudo das bibliografias recomendadas nos processos de seleção para o Mestrado e o Doutorado.  Outras disciplinas de interesse que também fornecem uma formação em CTS são História da Técnica e da Tecnologia (M/D), Filosofia da Ciência e da Tecnologia (M/D), O Pensamento Social Crítico Latino-Americano e o Debate CTS (M/D)Tópicos Especiais em Tecnologia e Sociedade Álvaro Vieira Pinto I (M/D)Tópicos Especiais em Tecnologia e Sociedade Álvaro Vieira Pinto II (M/D), embora várias outras articulem conhecimentos correlatos.

Cada linha de pesquisa oferece uma disciplinas de formação que dão base às suas pesquisas, e geralmente são ofertada no primeiro quadrimestre.  Mediações e Culturas oferta Fundamentos em Interação (M/D).  No segundo quadrimestre são ofertadas disciplinas mais direcionadas aos grupos de pesquisa, mas que também fornecem uma formação geral como Imagem e Tecnologia (M/D)Arte e Tecnologia (M/D), , Design e Interação (M/D), , dentre outras, pois estas ofertas variam de ano para ano.

No terceiro quadrimestre concentram disciplinas como Gênero e Representações Culturais (M/D), Computação, Sociedade e Inclusão (M/D), e disciplinas de tópicos. Não raro, estudantes cursam disciplinas de Tópicos Especiais e Estudos Dirigidos.

Quadro Docente

lattes
dgp
orcid
Docente
 
Interesses de Pesquisa e Orientação / Sites
tese
PPGTE Vagas 2024
Dra. Ana Claudia Camila Veiga de França

Tecnologia e Sociedade UTFPR 2021

Projetos de narrativas visuais e investigações sobre mulheres no audiovisual, nos cruzamentos entre história, narrativa, literatura, texto e imagem. / Pudim de morango
Mestrado
Dra. Gabriella Hauber Pimentel
Comunicação Social UFMG 2021

Comunicação e Política; Interações sociais face-a-face e mediada; Teoria Deliberativa; Emoções e Direitos Humanos.

Mestrado

Dr. João Carlos Pereira de Moraes

Educação USP 2018
Infância(s) e tecnologias; Crianças em meios midiáticos; Mediação tecnológica em ambientes formais, não-formais e informais de educação; Mapeamento de comunidades de pesquisa em tecnologias e educação; Infâncias, gênero, raça e/ou outras interseccionalidades.
Mestrado
Dr. Kando Fukushima
Tecnologia e Sociedade UTFPR 2019
História e crítica do design; Intervenções visuais urbanas; Design gráfico, tecnologia e sociedade.
Mestrado
Dr. Leonelo Dell Anhol Almeida
Computação Unicamp 2011
Acessibilidade e inclusão digital; interação humano-computador e design de interação; sistemas colaborativos e design participativo.
Mestrado Doutorado
Dra. Lindsay Jemima Cresto
Tecnologia e Sociedade UTFPR 2019

História e Teoria do Design sob a Perspectiva de Gênero; Estudos de gênero e suas Articulações com a Tecnologia e a Cultura Material, com Abordagens sobre os Interiores Domésticos.

https://teoriadodesign.com/

@teoria_do_design
Mestrado
Drª. Luciana Martha Silveira
Com. e Semiótica PUC-SP 2002
Arte, tecnologia e sociedade; Arte brasileira; Mulheres artistas na arte brasileira; Técnica e tecnologia pictórica na arte brasileira; Cor, tecnologia e sociedade.
Mestrado Doutorado
Dr. Luiz Ernesto Merkle
Computação UWO 2001
Relações entre Informática e Sociedade, em particular nas tecnologias e culturas livres, no design de interação, sempre direcionadas a uma educação para a liberdade; Álvaro Vieira Pinto.

 

Drª. Marilda Lopes Pinheiro Queluz
Com. e Semiótica PUC-SP 2002
História da arte brasileira; História do humor gráfico e das artes gráficas no Brasil; Estudos sobre cultura e quadrinhos latino-americanos e brasileiros (representações de ciência e tecnologia; questões de gênero, raça e etnia)
Mestrado Doutorado
Drª. Marília Abrahão Amaral
Gestão do Conhecimento UFSC 2008
Interação Humano Computador na perspectiva da terceira onda; Interação Humano Computador e feminismos; Informática Inclusiva na Educação Presencial; Informática na Educação & Ciência, Tecnologia e Sociedade; Educação em Informática; Computação e Sociedade.
Mestrado Doutorado
Drª. Marinês Ribeiro dos Santos
Interd. Ciências Humanas UFSC 2010
Teoria, história e crítica do design na perspectiva dos estudos feministas e queer; Cultura material, gênero e espaço doméstico; Cultura material, gênero e raça/etnia.
Mestrado Doutorado
Dr. Nestor Cortez Saavedra Filho
Física USP 1999
Mediação Tecnológica no Ensino de Ciências; Sociologia do Conhecimento Científico (Science Studies) e o Ensino de Ciências; Educação em Ciências no Antropoceno; Mobilidade Urbana e suas relações com a Educação Básica; Ensino de Física Moderna e Contemporânea.
Mestrado Doutorado
Dr. Ronaldo Oliveira Corrêa
Interd. Ciências Humanas UFSC 2008
Teoria, história e crítica do design; teorias de cultura material; arquivos, exposições e museus.
Mestrado Doutorado
        
        

Grupos de Pesquisa

Grupo de Pesquisa

Grupo de Pesquisa
Participantes

Design e Cultura (2003, --) 

Desenvolver estudos e pesquisas sobre a temática "Design e Cultura". Apresentações de resultados de pesquisas concluídas e em andamento em seminários e congressos, artigos publicados em periódicos e a publicação de coletâneas serão alguns dos resultados do Grupo de Pesquisa e sua colaboração para as discussões do campo das relações entre Design e Arte, Design e Linguagem e Design e Sociedade. Essas relações serão ainda permeadas por pesquisas nas áreas de Educação e Aplicação.

 

Dr. Kando Fukushima

Dra. Lindsay Jemima Cresto

Drª. Luciana Martha Silveira

Drª. Marilda Lopes Pinheiro Queluz (líder)

Drª. Marinês Ribeiro dos Santos

Dr. Ronaldo Oliveira Corrêa (líder)

Ciências Humanas, Tecnologia e Sociedade (CHTS) (2007, --) 

Somos um grupo interdisciplinar ligado ao Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Sociedade da UTFPR cujos interesses se alinham aos estudos em Ciência, Tecnologia e Sociedade. Enfatizamos em nossas pesquisas os processos de produção, circulação, distribuição e apropriação intrínsecos às relações históricas, sociais e culturais mediadas pelo tecnológico, pelo científico, pelo artístico, pelo político, pelo econômico. Como desdobramentos, ressaltamos a organização do Simpósio Brasileiro em Tecnologia e Sociedade, a fundação da Associação Brasileira de Estudos Sociais das Ciências e das Tecnologias, a construção de repositórios de acesso aberto como o repositório institucional, o Arcaz, e da articulação de projetos com foco em economia solidária, história e filosofia da ciência e da tecnologia, educação profissional, culturas populares, pensamento latino-americano em C&T, tecnologias sociais, trabalho e tecnologia, dentre outros.

 

Dr. Domingos de Lima Leite Filho (TT)

Dr. Geraldo Augusto Pinto (TT)

Dr. Gilson Leandro Queluz (TT) (líder)

Dr. Luiz Ernesto Merkle

Dr. Mário Lopes Amorim (TT)

Dr. Marilene Zazula Beatriz (TT)

Dr. Nestor Cortez Saavedra Filho

Arte e Tecnologia (2010 , --) 

Desenvolver pesquisas em tecno-arte. Por um lado interessam as interações da tecnologia com o espaço da linguagem visual, especialmente na percepção das imagens técnicas (fotografia, televisão, vídeo, e cinema) através da análise de seus signos plásticos. Por outro exploram mídias e dispositivos digitais e analógicos em projetos envolvendo Arte, Ciência e Tecnologia (instalações, acervos digitais, e outras).
 

 

Drª. Luciana Martha Silveira (líder)

Dr. Kando Fukushima

Xuê: participação, interação e computação (2013, --)

O Xuê tem por interesse o estudo interdisciplinar das interações e participações quando mediadas por tecnologias computacionais e informacionais. Nesta perspectiva, compreende-se que a Computação área do conhecimento ou comunidade profissional, e quaisquer atividades humanas informatizadas são sempre situadas e circunstanciadas em sociedade como atividade humana, e exigem a compreensão deste contexto. Este grupo articula atividades de pesquisa, ensino, extensão, projeto e divulgação em interação humano-computador, design de interação, informática em educação, design e educação, todas com um forte viés participativo e inclusivo. Seus e suas participantes têm interesses interdisciplinares e atuam em atividades de graduação e pós-graduação na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, em Curitiba, em cursos de Engenharia de Computação, Design, Sistemas de Informação, Design e Design Gráfico (estes em nível de bacharelado), e Tecnologia e Sociedade

 

Drª. Marília Abrahão Amaral (líder)

Dr. Luiz Ernesto Merkle (líder)

Dr. Leonelo Dell Anhol Almeida

Dr. João Carlos Pereira de Moraes

Interdisciplinaridade, Mediação Tecnológica e Educação para as Ciências da Natureza (2016, -)

Formação de Mestres e Doutores no âmbito do PPGFCET (PPG Profissional em Ensino de Ciências e Matemática), ao articular o conhecimento em Ciência Contemporânea, mediação por TIC e aspectos teórico-metodológicos do Ensino de Ciências; - Formação de Mestres e Doutores no âmbito do PPG em Tecnologia e Sociedade da UTFPR, ao articular discussões acerca dos "Science Studies" e o Ensino de Ciências, bem como a mediação tecnológica envolvida; - Interfaces entre o Ensino de Ciências e a Mobilidade Urbana, em colaboração com o Programa Ciclovida da UTFPR, o CONCICLO/PR e a Secretaria Municipal de Educação de Curitiba; - Ensino de Física Moderna e Contemporânea; - Interfaces entre Ciências e Arte, através do projeto "Física e Teatro", em coolaboração com o Grupo de Teatro do Colégio Estadual do Paraná; - Divulgação Científica da pesquisa em ciência básica e aplicada em cooperação com o Instituto Carlos Chagas, da Fiocruz Paraná, ao envolver dissertações e teses de doutorado.

 

Dr. Nestor Cortez Saavedra Filho (líder)