Home
/
Notícias
/
Últimas notícias
/
Divulgação Científica
/
Com UTFPR, projeto quer integrar comunidade com a Vila Torres

Com UTFPR, projeto quer integrar comunidade com a Vila Torres

Publicado 5/30/2023, 10:22:01 AM, última modificação 6/6/2023, 11:50:55 AM
Uma das iniciativas é a reforma do Jardim Secreto em Curitiba para que ele seja referência de integração da escola com a comunidade

Imagem de como está hoje a casa do Jardim Secreto (foto: acervo pessoal)

Uma sala de aula interativa para receber alunos e a comunidade será a realidade que representantes do projeto de intercâmbio cultural europeu, o Erasmus +, estão implementando na Vila Torres, em Curitiba. A proposta faz parte das quatro iniciativas que o Vamos Erasmus, com foco na Educação para a Sustentabilidade, está trabalhando na região para criar um "Roteiro Turístico Social de Base Comunitária”.

Há dois anos estudando o local, os trabalhos estão concentrados agora na reforma da casa instalada em uma área do Colégio Estadual Manoel Ribas, chamada de Jardim Secreto, transformando-a em uma sala de aula interativa. O projeto envolveu alunos de Engenharia Civil, de Arquitetura e do Grupo de Estudos Tecnologia e Meio Ambiente (TEMA) do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Sociedade (PPGTE) do Campus Curitiba.

A discussão dos problemas socioambientais e as soluções apresentadas contou ainda com os estudos de alunos da Universidade de Uppsala (Suécia), Universidade de Padova (Itália) e Universidade Tecnológica de Honduras.  Os resultados foram repassados para os alunos da especialização em Construções Sustentáveis (CECONS), coordenado pelo professor da UTFPR, Eloy Casagrande, e trabalhados na disciplina da professora Líbia Patricia Peralta, onde foram apresentados projetos de arquitetura e urbanismo para a Vila como foco em um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), o 11 - Cidades e Comunidades Sustentáveis.

“Foram mapeadas as diversas ações positivas que acontecem na Vila Torres, como as Igrejas, ONGs, a Associação de Moradores e de Cooperativas de Catadores. A ideia é melhorar as condições e infraestrutura destes projetos, convidar a população curitibana que só conhece a Vila Torres, nos seus aspectos negativos de violência, pobreza, tráfico de drogas, por exemplo, para uma imersão nos projetos que contribuem para melhorar a qualidade de vidas das pessoas no local e que possam também contribuir”, afirma o professor Eloy Casagrande.

Para o docente, a ideia agora é realizar as melhorias por meio de ações de extensão e que possam contar com a participação de alunos de diversos cursos da Universidade. O projeto denominado “Eco-Bairro: Tornando Comunidades Mais Sustentáveis e Resilientes”, por exemplo, terá inscrições no segundo semestre.

Outras iniciativas abordam ainda segurança alimentar, lazer, esporte, cultura e recuperação ambiental, em áreas em torno do Rio Belém, no "campão" (um local de lazer sem estrutura), e em locais identificados e que possam ser aproveitados para fazer parte do Roteiro.  

Os organizadores do projeto estão organizando uma vaquinha online para levantar recursos para a reforma da casa do Jardim Secreto.

Jardim Secreto 

Esta área está localizada no Colégio Estadual Manoel Ribas, na Vila Torres, em Curitiba, e abriga plantações, área de galinheiro, compostagem, além de uma estrutura de 70m2 a qual funciona uma biblioteca. No local, além de plantar e colher alimentos, os alunos aprendem filosofia, literatura, ecologia, segurança alimentar, entre outros.

A reforma envolverá toda a revitalização da área, troca de telhado, instalação de sistema de coleta de água da chuva, reparo de banheiros e encanamentos, renovação da entrada, portas e janelas, criação de jardim de chuva para drenagem do terreno e instalação de um sistema de tratamento de esgoto. 

“O objetivo deste projeto é que a comunidade comece a visualizar as potencialidades da Vila Torres. Desenvolveremos ações com as crianças e, com isso, atingiremos as famílias delas e a comunidade. Queremos que o Jardim seja um modelo educativo de integração da escola com a comunidade”, completa professora Líbia Peralta.