Página Inicial
/
Notícias
/
Últimas notícias
/
Divulgação Científica
/
Professor cria banco de dados para Observatório da Violência Contra a Mulher

Professor cria banco de dados para Observatório da Violência Contra a Mulher

Publicado 3/16/2023, 11:54:51 AM, última modificação 3/16/2023, 11:56:48 AM
Objetivo é que informações sejam mais acessíveis para implantação de ações de proteção à mulher

Foto: Freepik

O pesquisador do Campus Cornélio Procópio, Cristiano Marcos Agulhari, é um dos responsáveis pelo desenvolvimento de um sistema de banco de dados para auxiliar o Observatório da Violência Contra a Mulher na região de Londrina. O objetivo é organizar as informações para que possam ser acessadas de forma facilitada, já que antes estavam em formulários e fichas de papel, para serem utilizadas para elaboração de novas políticas públicas de proteção às mulheres.

“O sistema também pode ajudar as próprias servidoras do Centro de Atendimento à Mulher (CAM) a encontrar mais rapidamente informações importantes que possam ajudar no andamento das situações acolhidas por elas e facilitar o agendamento de serviços como psicológico e jurídico, além do acompanhamento dos casos”, explica o professor Cristiano Agulhari.

Pela UTFPR, os trabalhos do grupo que envolveram bolsistas de extensão começaram em 2017 e, em 2021, foi formalizado o acordo entre a Universidade Estadual de Londrina (UEL), UTFPR e Prefeitura de Londrina para o lançamento do Observatório, que começou em fase de testes e aprimoramento. A idealização é da professora do Departamento de Serviço Social da UEL, Sandra Lourenço.

Uma das dificuldades apontadas pelo pesquisador para o desenvolvimento do sistema é que os dados de identificação das fichas, que envolvem sobretudo mulheres em situação de violência, só podem ser acessados pelas servidoras do CAM e pessoas por elas autorizadas. “Foi preciso, então, implementar diversos níveis de acesso e estruturas de criptografia. No dia 10 deste mês, demos início ao cadastro das informações no sistema”, completa o pesquisador.

Segundo o pesquisador, futuramente, a intenção é que o software e o projeto possam ser ampliados, possibilitando que sejam colocados no sistema eletrônico também os dados de outros órgãos, como da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM), do Instituto Médico Legal (IML), Ministério Público do Paraná, Tribunal de Justiça, da 17ª Regional de Saúde, e de outras portas de entrada aos serviços.

Pela UTFPR, o projeto de extensão faz parte de uma edital conjunto entre a Pró-Reitoria de Relações Empresariais e Comunitárias (Prorec) e a Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional (Prograd), responsável pela implementação de todo o sistema de criptografia. Participam também o professor do Departamento de Computação do Campus Cornélio Procópio, Lucas Dias Hiera Sampaio, o bolsista Gabriel Zuin Jarduli, aluno de Engenharia de Computação, além do apoio do Coletivo do Campus "Prazer, Feminismo".

Observatório

O Observatório faz parte do Programa Mulheres Paranaenses: Empoderamento e Liderança, por meio da Fundação Araucária e a da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti). A ação envolve as sete universidades estaduais, três federais (UFPR, UTFPR, UNILA), a PUC-PR, o Instituto Cesumar, além do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR). 

Ao todo, são desenvolvidos 86 projetos voltados às mulheres paranaenses com temas que envolvem o combate à violência contra a mulher, mulheres indígenas, mulheres em situação de rua, em situação de vulnerabilidade, empreendedorismo, mulheres na agricultura familiar, meninas na ciência, saúde da mulher, empoderamento de mulheres do campo, entre outros.