Home
/
Notícias
/
Pato Branco
/
Cultivando saberes

Cultivando saberes

Publicado 5/10/2024, 1:31:28 PM, última modificação 5/17/2024, 3:50:56 PM
Projeto de Extensão da UTFPR-PB cria Horto Medicinal e promove conscientização sobre plantas medicinais

O Projeto de Extensão Estabelecimento de Mini Horto Medicinal no Campus de Pato Branco, orientado pela professora Marisa de Cacia Oliveira, do Departamento Acadêmico de Ciências Agrárias (DAGRO-PB), implementou uma horta medicinal no campus. Essa iniciativa visa cultivar plantas com propriedades medicinais para serem utilizadas em aulas práticas, desenvolver atividades para alunos de escolas municipais, estaduais e particulares, além de permitir a participação futura das comunidades interna e externa da UTFPR.

O projeto, iniciado no segundo semestre de 2022 e retomado em 2024, atualmente conta com a participação voluntária das alunas do curso de Agronomia Rosicler Rech, Fernanda Beliski, Danieli Kressin Oliva e Julia Balbinotti, além da técnica administrativa Edenes Maria Schroll Loss e da professora Giovana Faneco (DAGRO-PB). Adicionalmente, o projeto envolve duas turmas do Colégio Cívico Militar Carmela Bortot, cujos estudantes do 7º ano participam mensalmente de atividades de limpeza e plantio.

As pesquisadoras buscam expandir o projeto para fornecer conhecimento sobre a importância das plantas medicinais e os cuidados com seu uso à comunidade interna e externa. Inicialmente, o foco será nos estudantes universitários e das escolas da região, além de preparar materiais educativos com indicações cientificamente comprovadas para o uso correto das plantas medicinais.

Para isso, planeja-se disponibilizar chás para a comunidade interna, incluindo a cantina do servidor, com espécies medicinais populares, como hortelã, camomila e cidreira, que são amplamente utilizadas como bebida quente ou fria. Além disso, esses chás serão distribuídos em eventos da UTFPR-PB e do curso de Agronomia. Outra iniciativa será o fornecimento de mudas para quem estiver interessado, juntamente com a produção de pequenos sabonetes medicinais contendo óleos essenciais de algumas dessas espécies, desenvolvidos em projeto complementar ao projeto existente. O objetivo é demonstrar também outros trabalhos desenvolvidos na universidade que possam contribuir para a sociedade.

O projeto conta com o apoio da Diretoria de Relações Empresariais e Comunitárias (DIREC-PB), que fornece alguns materiais e transporte para os alunos. A última visita ocorreu em 19 de abril de 2024.

Confira o depoimento de Rosicler, uma das participantes do projeto, sobre o seu desenvolvimento:

“Quando iniciei o curso não tinha ideia de qual campo seguir, mas sempre tive interesse em Plantas Medicinais. Então, em conversa com minha amiga e colega, Fernanda, tive a ideia de procurar um professor e sugerir que fizéssemos um trabalho nesse sentido. Procuramos a professora Marisa e, em conversa com ela, contei que ainda sou professora e, além de aceitar nossa proposta, ela também nos falou que poderíamos fazer um Projeto de Extensão com meus alunos.

Em dezembro de 2022, iniciamos com a limpeza dos canteiros do horto, fomos em busca de mudas no IDR (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná) e na casa de algumas senhorinhas que nos cederam algumas mudas e, assim, fomos preenchendo nossos canteiros com diferentes mudas. No ano de 2023, iniciaram as visitas com os alunos, onde estes trabalharam com diversas formas de propagação das plantas, como estaquia, separação de touceiras, semeadura de sementes e transplantes das mudas cultivadas.

Ainda temos alguns objetivos a serem alcançados no decorrer do projeto, como: extração de óleos, produção de pomadas e tinturas, reuniões com benzedeiras, entrega de plantas nas Unidades de Saúde e uma aproximação com a comunidade. Na minha opinião, o projeto está sendo muito bem aproveitado, não só por mim e meus colegas, mas também pelos alunos que têm vindo para a Universidade, pois demonstram muita empolgação quando estão trabalhando com as plantas.

Dessa forma, podemos transmitir conhecimentos que, infelizmente, têm se perdido através das gerações. Os alunos trazem de casa mudas de plantas e dúvidas que os próprios pais têm em relação ao seu uso. Com isso, posso dizer que um dos objetivos do projeto, que é resgatar esse conhecimentos, está sendo atingido com sucesso.”