Home
/
Notícias
/
Pato Branco
/
Participação em evento externo

Participação em evento externo

Publicado 5/15/2024, 11:30:15 AM, última modificação 5/17/2024, 4:04:44 PM
Professores do Departamento de Matemática da UTFPR-PB participam do 9° Encontro do Hotel de Hilbert (EHH)

Entre os dias 22 e 25 de abril, os professores Edinéia Zarpelon e Gilberto Souto, do Departamento de Matemática do Campus Pato Branco(DAMAT-PB), participaram da nona edição do Encontro do Hotel de Hilbert (EHH). O encontro ocorreu noAram Imirá Plaza Hotel & Convention, nacidade de Natal-RN, e reuniu 165 alunos medalhistas da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) que apresentaram desempenho notável no Programa de Iniciação Científica Jr. (PIC).

Promovido pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), o EHH busca promover a imersão dos estudantes nesse fantástico mundo. Durante quatro dias, foram oferecidos minicursos, palestras, oficinas e desafios que incentivaram os alunos a aprimorar e progredir em seus estudos matemáticos. Dentre os cursos oferecidos, os professores do DAMAT ministraram uma oficina sobre a construção de tarefas matemáticas ao ar livre, mediadas pelo aplicativo MathCityMap, um sistema idealizado por Matthias Ludwig, professor do Instituito de Educação Matemática na Universidade de Goethe - Alemanha, e desenvolvido em parceria com outros pesquisadores europeus.

O aplicativo permite a criação de trilhas que possibilitam o ensino de maneira instigante, além de garantir que os estudantes percebam a presença dos princípios matemáticos no espaço que os cerca. Na oficina, os professores elaboraram 30 tarefas, distribuídas entre oito trilhas, as quais foram percorridas pelos estudantes e, durante o encontro, as tarefas consideradas mais interessantes foram discutidas.É importante destacar quea construção de trilhas matemáticas ao ar livre por meio do MathCityMap é uma das frentes vinculadas ao projeto de extensão intitulado Tecnologias Digitais no Ensino de Matemática, coordenado pela professora Edinéia.

Hotel de Hilbert, nome que dá título ao evento, vem do paradoxo apresentado pelo alemão David Hilbert, que propõe o exemplo de um hotel com quartos infinitos, capaz de receber infinitos hóspedes. Essa façanha é possível pois, sempre que um novo hóspede chega, os outros avançam para o próximo quarto, abrindo espaço para orecém-chegado.Em linguagem matemática, com a nova chegada, o hóspede do quarto ‘n’ pula para o quarto ‘n+1’, e assim sucessivamente. É a metáfora que permeia toda a proposta, receber sempre novos estudantes e possibilitar seu acesso e conhecimento do universo matemático.

Acerca das experiências vividas ao longo da realização do EHH, e também sobre seus participantes, a professora Edinéia relata que:

“[...] é um evento singular, de relevância nacional, que busca fomentar ainda mais o interesse dos alunos premiados na OBMEP pela Matemática, por isso, ficamos muito honrados ao sermos convidados pela comissão organizadora do evento para ministrar uma oficina. [...] Como são selecionados os estudantes medalhistas da OBMEP com melhores desempenhos no PIC, e estes têm todos os custos da viagem pagos pela organização do evento, foi gratificante observar que os esforços dos alunos participantes foram reconhecidos. Alguns deles eram oriundos de cidades remotas e viajaram de avião pela primeira vez; outros ficaram hospedados pela primeira vez num hotel. Então certamente essa experiência ficará marcada em suas memórias.”

Sobre o planejamento e elaboração das atividades da oficina, o professor Gilberto destaca que:

“No desenvolvimento da oficina optamos por uma abordagem diferente, em que os medalhistas atuaram não somente como resolvedores de problemas, mas também enquanto criadores de tarefas matemáticas ao ar livre. Em geral estes estudantes estão habituados a resolverem problemas olímpicos, muitos dos quais envolvem certos padrões de raciocínio para a resolução. Optamos por tirá-los da zona de conforto e colocá-los na posição de proponentes de tarefas que atuam de forma colaborativa. Assim eles deveriam, em pequenos grupos, construir uma tarefa que seria solucionada posteriormente pelos colegas. E escrever uma tarefa, com clareza, eliminando variáveis que possam gerar dúvidas ou permitir diferentes interpretações não é uma tarefa simples.”

Sobre a experiência e participação no encontro, Jhonatan Kallil Bernabé, estudante de Rondônia, comenta:

“A oficina foi uma experiência bem diferente das que já tive na área da matemática. Foi um desafio mudar a visão de quem soluciona as questões para quem as desenvolve, parece uma tarefa tão simples, mas na verdade exige muito esforço, foi legal encontrar a matemática em cada degrau, guarda sol e janela. Fico realmente feliz por ter feito parte do projeto, e tido a experiência de ver os números fora do papel, imagino que qualquer estudante que participar dos desafios propostos terá essa chavinha virada na mente, que - mesmo sem perceber - a matemática está em cada passo.”

Na UTFPR-PB, o projeto com trilhas matemáticas ao ar livre é abordado nas esferas do ensino, pesquisa e extensão. Com o retorno dos pesquisadores, a equipe executora pretende iniciar um curso de formação com os professores que lecionam para turmas do quinto ano da rede municipal de ensino de Pato Branco.Além disso, em momento oportuno,as trilhas elaboradas para a oficina serão divulgadas no sistema MathCityMap e poderão ser percorridas por qualquer pessoa hospedada no Hotel Aram, contribuindo com a popularização da matemática.