Home
/
Notícias
/
Ponta Grossa
/
História e futuro

História e futuro

Publicado 3/22/2023, 6:46:07 PM, última modificação 3/22/2023, 7:31:10 PM
Relembrando a trajetória da instituição, desde o início das atividades do campus em 1993, o primeiro episódio do Podcast Livre com Ciência “Especial 30 anos da UTFPR-PG” fala do passado vislumbrando o futuro do campus.

O primeiro Podcast em comemoração aos 30 anos de aniversário do Campus Ponta Grossa está pronto. As entrevistas feitas com o Diretor Geral, Abel Dionizio Azeredo, e com o Professor Felipe Mezzadri, atual Secretário de Licenciaturas e Bacharelados e Presidente da Comissão que está à frente das atividades do aniversário do campus trazem alguns elementos da história da UTFPR-PG, dos avanços e propostas para o futuro da instituição. Esse primeiro episódio foi conduzido pelas acadêmicas Natalia Argenta Santin e Ana Clara Ferreira, com participação da Assessora de Comunicação do campus Ponta Grossa (ASCOM-PG), Kelly Francisco Florêncio.

Relembrando um pouco das atividades do campus Prof. Abel Dionízio Azeredo falou sobre o início da trajetória do campus em 1993, quando o terreno do Seminário Santíssimo Redentor, que já havia encerrado suas atividades no local, foi adquirido pela Prefeitura Municipal de Ponta Grossa para a instalação do Centro Federal de Educação Tecnológica (CEFET). O Diretor destacou também a mudança para universidade no ano de 2005, através da promulgação de lei federal. “A única universidade vocacionada do Brasil, a única universidade tecnológica. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) permite universidades vocacionadas, ou seja, por área. A única que nos temos no país é a UTFPR. E a instituição cresceu, estando presente em 13 campi, distribuídos na capital e no interior do estado”, relata.

Quanto ao crescimento visível do Campus Ponta Grossa, Azeredo destacou que no início das atividades haviam apenas os cursos técnicos, com as mudanças, ocorridas ao longo dos anos, e com a transformação em universidade houve a  oferta dos cursos de graduação, que atualmente somam 10 cursos distribuídos entre bacharelados, engenharias, tecnologias e licenciatura. O Diretor destaca também o desenvolvimento das atividades de pós-graduação, com 10 programas stircto senso, que contam com cursos de mestrado e doutorado.

Falando das conquistas do campus durante seus 30 anos de existência, Azeredo ressaltou o número de cursos ofertados e de estudantes presentes na instituição. “Hoje é o segundo maior campus do Sistema UTFPR, nós temos praticamente 4 mil alunos. São quase 3 mil e 600 na graduação e aproximadamente 400 na pós-graduação”, comemora. O Diretor salientou ainda a participação do corpo docente em vários projetos, como FINEP e ROTA 2030, o que traz destaque para o campus, inclusive nacionalmente. O prof. Felipe Mezzadri, lembrou da importância do material humano da instituição, começando pelos estudantes, mas enfatizando também os servidores, professores e técnicos administrativos, bem como os terceirizados, todos os profissionais que atuam no campus e que, à sua maneira, contribuem para a formação acadêmica, missão primeira da universidade. “Pegar uma pessoa com uma formação básica (...) e a gente consegue preparar ela com talentos para enfrentar novas aventuras no mundo (...). Ver aquelas carinhas de jovens, dos calouros e essa pessoa se transforma, ficando ainda mais competente, isso não tem preço”, relata.

A conversa ainda abordou inúmeros outros temas, entre os quais a retirada de antigas estruturas, como o cemitério que havia no campus, os planos de melhorias para o futuro, com a proposta de novos cursos contemplados pelo Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), a realização do vestibular e a ação “UTFPR-PG portas abertas”, a instalação do Parque Eco tecnológico e do centro de inovação.  O Diretor do Campus falou sobre  a importância desse olhar para o futuro, lembrando que para que todas essas ações se concretizem é necessário o engajamento e participação de todos os atores que constroem a UTFPR.  “Os planos são muitos e passam pelas pessoas, são as pessoas que desenvolvem todos os projetos e encabeçam as iniciativas. E cada vez, se tiver melhores pessoas, com gente incentivada, gente querendo trabalhar a universidade irá progredir sempre”, comenta Azeredo.

Para conferir tudo que foi tratado nesse primeiro episódio acesse as plataformas digitais que disponibilizam esse e outros trabalhos inspiradores produzidos pelo Projeto de Extensão Podcast Livre com Ciência, clique aqui.