Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Geral > Covid-19 > Melhora na qualidade do ar foi menor do que divulgado anteriormente
conteúdo

Notícias

Melhora na qualidade do ar foi menor do que divulgado anteriormente

Isolamento Social

Novo estudo foi feito por mais de 90 pesquisadores em 25 países de sete regiões
publicado: 14/09/2021 09h59 última modificação: 14/09/2021 09h59
Foto: Freepik

Foto: Freepik

Em um artigo internacional publicado recentemente, o professor do Campus Londrina, Admir Créso Targino, juntamente com outros 96 pesquisadores, analisaram a qualidade do ar no período de isolamento social devido à pandemia da Covid-19 e compararam com o período após isolamento. Durante os dias de lockdown, ou de medidas restritivas em algumas cidades pelo mundo, muito se falou sobre a melhoria da qualidade do ar promovida pela redução na emissão de poluentes. Porém, segundo o pesquisador, em alguns países e cidades a qualidade do ar piorou, já que algumas fontes de poluição prevaleceram.

“Por exemplo, a queima de biomassa/lenha e emissão de partículas sem relação com tráfego veicular continuou, especialmente nos países onde o lockdown ocorreu na primavera, com temperaturas ainda baixas”, afirma o professor. 

O estudo global foi coordenado pelo programa Global Atmospheric Watch (WMO / GAW) da Organização Meteorológica Mundial e realizado em 540 estações de monitoramento da qualidade do ar de 63 cidades, abrangendo 25 países em sete regiões geográficas do mundo.

As observações analisaram as concentrações na qualidade do ar dentro e ao redor das cidades para os seguintes poluentes atmosféricos: três frações do material particulado (PM2,5, PM10 e fração grossa, PMC), óxidos de nitrogênio (NO2 e NOx), dióxido de enxofre (SO2), monóxido de carbono (CO) ozônio (O3) e o oxidante gasoso total (OX = NO2 + O 3). As emissões foram verificadas durante o pré-bloqueio, bloqueio parcial, bloqueio total e dois períodos de relaxamento que vão de janeiro a setembro de 2020.

“Observamos uma correlação positiva entre as reduções das concentrações de NO2 e NOx e mobilidade das pessoas para a maioria das cidades. Isso era um resultado esperado, pois as principais fontes desses poluentes são as emissões devido à combustão de combustíveis fósseis. No entanto, a relação NO2/CO indicou que locais específicos (como os das cidades espanholas) foram afetados pelas plumas de queima de lenha, que compensaram a diminuição do NO2 promovido pela redução geral na mobilidade”, explica.

Uma correlação entre PMC e mudanças de mobilidade também foi observada em algumas cidades asiáticas e sul-americanas. O PMC é a fração grossa do material particulado oriundo de partículas depositadas em superfícies que entra na atmosfera através de ações mecânicas de mobilização. “Então, ao se reduzir o número de veículos transitando, também se reduz as partículas grossas que entram na atmosfera, especialmente pela ressuspensão de poeira nas vias. Porém, um sinal claro não foi observado para outros poluentes, sugerindo que outras fontes, além das emissões veiculares, também contribuíram substancialmente para a mudança na qualidade do ar”, destaca Targino.

De acordo com os pesquisadores, foi observado diminuições de até 70% na média de NO2 e entre 30% e 40% nas concentrações médias da fração fina do material particulado (PM2,5) no período de isolamento em 2020, em comparação com o mesmo período em 2015–2019. No entanto, o PM2.5 exibiu sinais complexos, mesmo dentro da mesma região, com aumentos em algumas cidades espanholas, atribuídos principalmente ao transporte de longa distância de poeira africana e/ou queima de lenha para calefação. E, em algumas cidades chinesas, por exemplo, os aumentos de PM25 foram semelhantes ao período de bloqueio.

Um aspecto preocupante foi o aumento do O3 na maioria das cidades (incluindo as cidades da América do Sul: São Paulo, Lima, Bogotá e Quito). O ozônio, embora tenha papel benéfico nas altas camadas da atmosfera, protegendo contra os efeitos danosos da radiação ultravioleta, é nocivo para animais e plantas quando sucede próximo à superfície. “Isso ocorreu devido à diminuição das concentrações de NOx que funciona como um agente destruidor do O3 sob certos regimes químicos. Na falta de NOx, o O3 aumentou”, ressalta.

“Nosso estudo indica claramente que as concentrações de PM2,5 provavelmente não atenderiam às diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) em muitas partes do mundo, apesar das reduções drásticas na mobilidade. Consequentemente, podem ser necessárias revisões da regulamentação da qualidade do ar com metas mais ambiciosas e específicas para as diferentes regiões do mundo. A mensagem principal que o estudo apresenta é que diminuir o trânsito veicular é apenas uma forma de combater alguns poluentes atmosféricos. Para um efeito duradouro e eficiente, serão necessárias ações coordenadas entre as nações de forma a atacar o problema de vários ângulos e fontes, como a queima de biomassa e outros agentes formadores de partículas, como o nitrato pelo setor agrícola”, completa o pesquisador Targino.

Os resultados da pesquisa foram publicados no Environment International, v. 157, no artigo: “A global observational analysis to understand changes in air quality during exceptionally low anthropogenic emission conditions”.