Histórico

Publicado 3/26/2018, 2:27:05 PM, última modificação 12/4/2020, 3:10:39 PM
Música instrumental na UTFPR

A história da música instrumental na UTFPR engloba várias formações musicais. A música instrumental tem suas origens na antiga Banda Marcial sob a regência do Maestro Roraí Pereira Martins, grupo formado por instrumentos de sopro e percussão, que representou a Instituição desde 1973. Em decorrência do falecimento do Maestro Martins, a Instituição recebeu o professor Adriano Gabriel Sviech para dar continuidade ao trabalho. Ele criou a Camerata de Sopros em 2000 e permaneceu como professor substituto até 2002.

Posteriormente, a Universidade dispôs do Grupo de Violinos. O grupo é descrito como uma mistura de crianças, adolescentes, jovens e adultos que estão divididos nas seguintes composições, de acordo com a faixa etária: Gruppo Piccoli (crianças entre 5 e 6 anos); Spettacolo de Violini (7 e 8 anos); Gruppo Allegtretto (9 e 10 anos); Gruppo per Bambini (11 e 15 anos) ; Più Allegro I (a partir dos 16 anos, nível iniciante) e Più Allegro II (nível intermediário). Todos os grupos dirigidos pela Professora Ellen Carolina Ott. Durante quatro anos ela passou uma temporada fora de Curitiba e retornou às atividades em 2012.

No ano de 2009, foi formado o Grupo Instrumental com a proposta de uma orquestra de instrumentação mais diversificada (incluindo instrumentos mais populares) e direcionado ao repertório de música popular. O Grupo Instrumental cresceu e em 2010 transformou-se na Orquestra da UTFPR sob a regência do Maestro Mauro Cislagui. Em 2013, ele foi transferido para o câmpus Francisco Beltrão, da UTFPR e com isso interrompeu-se a orquestra em Curitiba e iniciaram-se as atividades da Orquestra e do Coral da UTFPR – Francisco Beltrão.

No mesmo ano, a Professora Ellen Ott retomou as atividades da orquestra e transformou a orquestra em Camerata UTFPR. Em 2014, o Maestro Enaldo Antonio James de Oliveira assumiu a regência e direção artística do grupo e a Professora Ellen Ott assumiu a coordenação pedagógica.