Filosofia da Ciência e da Tecnologia

Publicado 8/2/2018, 9:48:21 AM, última modificação 3/7/2024, 4:17:44 PM

Carga Horária: 45

Créditos: 3.0

Ementa: A natureza do conhecimento científico e do conhecimento tecnológico. Análise de temas, problemas e conceitos importantes para a Filosofia da Ciência e para a Filosofia da Tecnologia. Descrição do histórico de ambas as especialidades, cotejando-se autores e escolas relevantes.

Objetivo Geral: Apreender, por meio do estudo de textos selecionados, características definidoras da reflexão filosófica sobre ciência e tecnologia, de modo a possibilitar ao discente a construção de um posicionamento crítico e reflexivo no tocante a alguns de seus principais temas e problemas.

Objetivos Específicos: Objetivamos que, ao final deste percurso formativo, o discente esteja habilitado a:

  • Analisar o tema da subjetividade representativa na Modernidade e sua relação com a representação científica do mundo na contemporaneidade;
  • Analisar e identificar os fundamentos metafísicos presentes no naturalismo físicalista;
  • Analisar e descrever o histórico e as contribuições de autores e escolas filosóficas que se notabilizaram na Filosofia da Ciência e na Filosofia da Tecnologia no século XX;
  • Identificar e descrever problemas e conceitos relevantes para a Filosofia da Ciência e para a Filosofia da Tecnologia, bem como a forma como os mesmos foram trabalhados pelos principais autores e escolas;
  • Descrever a natureza do conhecimento científico e do conhecimento tecnológico.

Referências Bibliográficas:

BURKHARDT, H. “Método”. In RICKEN, F. (org.). Dicionário de Teoria do Conhecimento e Metafísica. São Leopoldo: Editora da Unisinos, 2005, p. 175-177.

CARNAP, R. "A eliminação da metafísica através da análise lógica da linguagem".

COMTE, A. “Curso de Filosofia Positiva” (“Lição Primeira” e “Lição Segunda”. In COMTE, A. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1978, p. 1-39.

_____. “Discurso sobre o Espírito Positivo” (“Primeira” e “Segunda Parte”). In COMTE, A. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1978, p. 41-78.

CUPANI, Alberto. Filosofia da Tecnologia: um convite. Florianópolis: Editora da UFSC.

DESCARTES, R. “Meditações” 1 a 3In DESCARTES, R. Meditações Metafísicas. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

DUTRA, L. H. A. Introdução à Teoria da Ciência. Florianópolis: Editora da UFSC.

DUTRA, L. H. de A. “Naturalismo”. In DUTRA, L. H. de A. Oposições Filosóficas. A epistemologia e suas polêmicas. Florianópolis: Editora da UFSC, 2005, p. 73-100.

FURLAN, R. “Uma revisão/discussão sobre a Filosofia da Ciência”. Paidéia. Ribeirão Preto, v. 12, nº 24, 2002, p. 125-138. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/paideia/v12n24/02.pdf.

HEIDEGGER, M. “Que é Metafísica?”. Trad. Ernildo Stein. Disponível em http://br.egroups.com/group/acropolis/.

_____. Que és Metafísica? (Seguido de Epílogo a ¿Qué es Metafísica? e Introducción a ¿Qué es Metafísica?)Disponível em http://gen.lib.rus.ec/book/index.php?md5=1FE015BB942BCCE97AFFB1F297CDE6E9.

KANT, I. “Prefácio da segunda edição”(1787). In KANT, I. Crítica da Razão Pura. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2001BXI-BXXII.

KUHN, T.S. A Estrutura das Revoluções Científicas (1962). São Paulo: Perspectiva, 1992.

LANDIM FILHO, R. “Do eu penso cartesiano ao eu penso kantiano”. Studia kantiana, São Paulo, v. 1, nº 1, 1998, p. 263-289. Disponível em http://www.sociedadekant.org/studiakantiana/index.php/sk/article/view/11.

MACHADO, C. de A. “Da ciência antiga à ciência moderna: o método científico e as concepções de natureza”. In CABRAL, A. M. et. al (orgs.). Filosofia: um panorama histórico-temático. Rio de Janeiro: Mauad X, 2013, p. 297-302.

_____. “Novas tendências nos estudos sobre a ciência”. Id., p. 307-308.

_____. “O problema da demarcação: uma questão de critérios – do Círculo de Viena a Lakatos”. CABRAL, A. M. et. al (orgs.). Filosofia: um panorama histórico-temático. Rio de Janeiro: Mauad X, 2013, p. 303-306.

MARICONDA, P. R; PLASTINO, C. E. “Filosofia das Ciências Naturais”. In CHAUÍ, M et. al. (orgs). Filosofia Primeira. Lições Introdutórias. São Paulo: Brasiliense, 1987, p. 196-217.

MERLEAU-PONTY, M. “A Natureza, como ideia de um ser inteiramente exterior, feito de partes exteriores, exterior ao homem e a si mesmo, como puro objeto”. In. MERLEAU-PONTY, M. A Natureza. Curso do Collège de France. São Paulo: Martins Fontes, 2000, p. 9-30.

POPPER, K. A Lógica da Pesquisa Científica (1959). São Paulo: Cultrix.

_____. El desarrollo del Conocimiento científico - Conjecturas y refutaciones (1963). Buenos Aires: Paidos, 1991.

QUINE, W. V. "Dois dogmas do empirismo".

RIVERA DE ROSALES, J; SERRANO, V. “El Idealismo alemán a debate. A propósito del Simposio ‘1794: Inicios del Idealismo Alemán’”. Anales del Seminario de Historia de la Filosofía. Madrid, UCM, v. 12, p. 267-277.

SILVEIRA, F. L. da. “A teoria do conhecimento de Kant: o idealismo transcendental”. Caderno Brasileiro de Ensino de Física. Florianópolis, v. 19, nº especial, junho de 2002, p. 28-51. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/10053.

S.A. “Capítulo XXXVI. La filosofia de la ciência entre las dos guerras mundiales”. P. 864-876.

SCHLICK, M. "O fundamento do conhecimento".

STÖCKLER, M. “Natureza”. In RICKEN, F. (org.). Dicionário de Teoria do Conhecimento e Metafísica. São Leopoldo: Editora da Unisinos, 2005, p. 192-194.