Debate

Publicado 8/31/2018, 3:48:18 PM, última modificação 11/3/2022, 5:38:09 PM
Gênero e Diversidade foram o foco de Mesa Redonda realizada no Câmpus

Nunca antes se falou tanto sobre sexualidade, gênero e diversidade. Em tempos de intolerância e falta de informação, uma conversa aberta e repleta de informações que sanem as dúvidas, se torna primordial dentro do meio universitário.

Foi pensando na amplitude deste tema, e na urgência da abordagem na vida acadêmica, que na última quinta-feira, dia 23 de agosto, no anfiteatro do Câmpus Pato Branco, aconteceu a mesa redonda “Tá Na Hora de Falar Sobre: Gênero e Diversidade”. A mesa redonda é apenas uma das tantas ações do “Projeto Se Orienta”, que foi idealizado no ano de 2017, pelo acadêmico do curso de Engenharia Civil, Ronalde Macedo Conceição, tendo como orientadora a psicóloga Giliane Schmitz.

O projeto nasceu sobre o viés de debater, ampliar e incutir no ambiente universitário, um debate aberto e descomplicado a respeito da diversidade sexual e de gênero.

O evento contou com participação expressiva de acadêmicos, professores e membros da comunidade externa. A Mesa foi composta pelos convidados: professor Sérgio Paes de Barros, da UTFPR – Câmpus Pato Branco; professora Raoany Ribeiro, da UNIOESTE; a graduanda em Psicologia na UNIPAR, Aline Fávero; o acadêmico de Letras da UTFPR-PB, Samuel Banck; e teve como mediadora a psicóloga Giliane Schmitz, da UTFPR – Câmpus Pato Branco.

Um dos assuntos discutidos no evento, foi o crescimento da discriminação e o papel do professor dentro na universidade como facilitador da compreensão dos acadêmicos, inclusive desconstruindo o senso comum que embasa ações e discursos preconceituosos pelos corredores.

Em uma de suas falas, a professora Raoany declarou que a comunidade LGBT deve, entre tantas coisas, possuir maior acesso aos serviços de saúde. “Existe uma necessidade urgente de falar sobre o tema para diminuir o preconceito que não só discrimina, mas gera violência e mata”, afirmou.

Entre tantos assuntos abordados, um dos pontos altos e emocionantes da noite, foram os relatos dos acadêmicos Samuel e Aline. Ambos contaram como foi a descoberta da homossexualidade, a dificuldade em se assumir, o processo de aceitação da família e o preconceito diante da sociedade. “Foi muito gratificante participar do evento, estar em um local de fala para expor minhas experiências e vivências dentro do meio LGBTQ+ e representar essa comunidade e o que nós vivemos debaixo dessa bandeira. A meu ver, como futuro profissional da Educação, debates como esse se fazem necessários dentro do âmbito educacional, uma vez que nosso Câmpus é uma Instituição de Ensino (majoritariamente ocupadas por jovens), os quais serão nossos futuros profissionais e, consequentemente, o amanhã de nossa sociedade, aqueles que terão a oportunidade de construir um futuro livre de preconceito, adquirindo cada vez mais conhecimento e disseminando ideias como as que foram divididas durante a Mesa Redonda”, declarou Samuel.

Para a psicóloga Giliane, iniciativas como essa auxiliam na compreensão de contextos e comportamentos que à vezes as pessoas julgam sem conhecer os fatores que estão envolvidos. Afirma que “entender a diversidade de gênero a partir do relato de pessoas que vivenciam essa realidade ajuda a desenvolver empatia e comportamento de aceitação e respeito”.

Para quem deseja conhecer ainda mais sobre o trabalho do Projeto Se Orienta, acesse a página do Facebook UTFPR PLURAL.

Reportar erro