Home
/
Notícias
/
Pato Branco
/
Pesquisa e Inovação

Pesquisa e Inovação

Publicado 3/12/2018, 4:32:00 PM, última modificação 11/3/2022, 5:37:46 PM
UTFPR obtém Certificado de Registro de Programas de Computador, Ergo Tools e Carta Patente, de Medidor de Fase de Alta Resolução

Pesquisa e Inovação

UTFPR obtém Certificado de Registro de Programas de Computador, Ergo Tools e Carta Patente, de Medidor de Fase de Alta Resolução

Foi expedido pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) o despacho de concessão de Registro do Programas de Computador intitulado “Ergo Tools”, sob o código BR 51 2017 001499-0. Tal registro se traduz em um comprovante de autoria, garantindo segurança jurídica da propriedade do trabalho por um período de 50 anos, após o 1º de janeiro do ano subsequente à data de criação do software. Além disso, é considerado um indicador importante para a produção tecnológica da Universidade.

O software Ergo Tools foi idealizado pelo doutor Sérgio Luiz Ribas Pessa, docente do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas (PPGEPS), da UTFPR – Câmpus Pato Branco, sendo uma visão sobre a necessidade de criação de nova abordagem para a aplicação de ferramentas de avaliação ergonômica. Estudos relacionados ao tema foram realizados pela, até então, mestranda e servidora do Câmpus, Dalila Giovana Pagnoncelli Laperuta, sendo proposta uma nova abordagem em forma de framework conceitual, visando possibilitar ao profissional ergonomista a realização de avaliações, partindo previamente da coleta de dados, sem a obrigatoriedade de escolha prévia e exclusiva de determinada ferramenta.

Durante a pesquisa, foi realizado o levantamento de requisitos para definição do escopo e funcionalidades do software, com auxílio de pesquisadores e profissionais de ergonomia da cidade de Pato Branco, sendo posteriormente aplicada técnica de prototipagem como forma de validação das funcionalidades desejadas para o software. A partir de então, após estudos e prototipação, houve a participação do, também mestrando do PPGEPS e servidor da UTFPR – Câmpus Francisco Beltrão, Jhonnatan Ricardo Semler, que colaborou com a documentação do sistema e, posteriormente, realizou o desenvolvimento do protótipo inicial do software. Em paralelo ao desenvolvimento das funcionalidades previamente identificadas, houve a validação e homologação respectivamente pela então mestranda Dalila e seu orientador, professor Sérgio Luiz Ribas Pessa. Por fim, o software foi apresentado a uma empresa de ergonomia, como forma de validar a ferramenta e, consequentemente, a proposta de abordagem resultante da elaboração do framework conceitual.

Atualmente, o software está sendo validado para posterior disponibilização gratuita para utilização por parte de profissionais da área de ergonomia, com objetivo de popularizar as ferramentas de avaliação ergonômica, difundir ferramentas de avaliação eventualmente desconhecidas, e possibilitar aos profissionais a obtenção de laudos com maior abrangência, possibilitando a análise de resultados sob diferentes perspectivas.

A posterior utilização do software por parte de profissionais de ergonomia, possibilitará, a geração de um banco de dados relacionado à avaliações ergonômicas, sendo possível utilizar estes dados como fonte para a realização de futuras pesquisas científicas.

O software, após a devida validação das funcionalidades, será disponibilizado para uso no endereço: http://pb.utfpr.edu.br/ergo/

Carta Patente

Outro destaque, foi o trabalho intitulado “Medidor de Fase de Alta Resolução”, contemplado com a carta patente. Mais um produto desenvolvido pelos pesquisadores da UTFPR, professores Fabio Luiz Bertotti (Câmpus Pato Branco) e Paulo José Abatti (Câmpus Curitiba), patenteado recentemente (30/10/2017) junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

O equipamento é formado, basicamente, por um sistema de medição de fase e um sistema digital de controle e processamento, para ser utilizado em aplicações referentes à instrumentação, controle automação, telecomunicações, medicina e em aplicações que exijam medições de fase em alta resolução. O medidor de fase é capaz de medir uma fase de uma impedância ou de sinais elétricos, provendo os estados de medição em um display gráfico. Este medidor também prevê meios de comunicação com uma rede de comunicação, sistema dedicado e com um computador. Com base no método de medição desenvolvido e nos dispositivos que compõe medidor de fase, espera-se que este equipamento seja uma solução de baixo custo para atender as necessidades de medição de fase com alta resolução.

A gama de aplicações para o equipamento é ampla dentro da área de engenharia elétrica”, informou o professor Bertotti. Por exemplo, “o equipamento pode ser utilizado para determinar o fator de potência em um sistema elétrico, que é um parâmetro empregado para avaliar a eficiência no consumo de energia elétrica, principalmente na indústria”. O aparato também “permite obter a fase de uma impedância elétrica. Nas áreas de nutrição e medicina do esporte, a medição da bioimpedância elétrica do corpo humano é uma técnica amplamente utilizada na avaliação da composição corporal”, destaca o professor.

Sobre as patentes

A obtenção da carta patente é um procedimento rigoroso e demorado. Em sua análise, o INPI, órgão federal responsável pelo aperfeiçoamento, disseminação e gestão do sistema brasileiro de concessão e garantia de direitos de propriedade intelectual para a indústria, verifica se o pedido de patente corresponde a um novo processo ou produto. Para a aprovação, também é necessário verificar a função social, econômica, jurídica e técnica do invento. Com a obtenção do documento, somente os autores têm o direito de produzir e comercializar a invenção.

O Registro de Programas de Computador e a Carta Patente são formas de proteção intelectual, classificadas como Direito Autoral e Propriedade Industrial, respectivamente.

Reportar erro