Home
/
Notícias
/
Ponta Grossa
/
Atletas paralímpicos

Atletas paralímpicos

Publicado 9/25/2020, 8:56:44 AM, última modificação 9/25/2020, 9:00:30 AM
Prática Esportiva e Treinamento para Pessoas com Deficiência no câmpus Ponta Grossa da UTFPR

Condicionamento físico, treinamento de atletismo e tênis de mesa, são estas as principais atividades oferecidas a cerca de 30 atletas ponta-grossenses pelo projeto PETPD - Prática Esportiva e Treinamento para Pessoas com Deficiência, desenvolvido no câmpus Ponta Grossa da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR desde o ano de 2012.

Oito anos atrás, a ideia do projeto acompanhou a chegada do professor Gilberto Martins Freire à instituição e deu início à parceria com a Apedef - Associação Pontagrossense de Emancipação para Deficientes. Desde então, foram várias conquistas enquanto atletas, mas o docente e treinador reforça que, mais do que vitórias esportivas, “O PETPD favorece os processos de reabilitação física e emocional de seus praticantes, aumentando a autoestima e empoderando as pessoas com Deficiência para consolidar os processos inclusivos”.

O projeto funciona sem nenhum custo para os atletas, contando, além da Apedef, com o apoio do Departamento Acadêmico de Ensino (DAENS) e o Centro de Atividades Físicas (CAFIS) da Universidade, que cedem o espaço, equipamentos de academia e a orientação técnica profissional para competições. E, ainda, o projeto tem o apoio da Prefeitura de Municipal de Ponta Grossa, que oferece aos atletas a bolsa “Prata da Casa”.

Atuais campeões paranaenses de atletismo e com excelentes resultados no cenário nacional, o objetivo agora é “Obter apoio de empresas e transformar o projeto em programa institucional, com possibilidades de obtenção de recursos e ampliação da prática esportiva para este universo de pessoas em toda rede UTFPR”, explica Gilberto, que atuou 10 anos como treinador da Seleção Brasileira Paralímpica, fez toda a sua pós-graduação nesta área e está confiante no potencial dos seus atletas.

Mesmo com excelentes resultados, a maior demanda do projeto e dos atletas competidores é por recursos que possibilitem o transporte e acomodações durante os eventos esportivos; e ainda mais pessoal capacitado para ajudar nos treinamentos, assim que o calendário de atividades retornar ao normal. 

Nesta semana que iniciou, como Dia Nacional da Luta da Pessoa com Deficiência (21 de setembro), o treinador Gilberto relembra otimista que “nossa população [do PETPD] fica mais vulnerável aos efeitos da COVID-19, para nós este é um ano perdido. Mas, estamos vivos para recuperar o tempo perdido e com vida transformamos e conquistamos novos horizontes!”.