Home
/
Notícias
/
Ponta Grossa
/
Tecendo solidariedade

Tecendo solidariedade

Publicado 7/1/2020, 1:47:54 PM, última modificação 11/7/2022, 11:25:48 AM
Quatro mil máscaras de tecido serão confeccionadas e doadas por projeto da UTFPR Ponta Grossa

Máquinas de costura emprestadas, tecidos e voluntários para a produção de máscaras. Esse foi o início de mais uma ação que busca minimizar o risco de contaminação pela COVID-19. O projeto foi contemplado em edital de apoio a ações de combate ao novo coronavírus (Edital 003/2020/DIREC-PG) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Câmpus Ponta Grossa, e tem como meta final a produção de 4 mil máscaras de tecido para doação à população e instituições dos Campos Gerais.

Com o apoio do Laboratório de Botânica e Conservação da Natureza, e do Grupo de Pesquisa em Conservação da Natureza e Educação Ambiental, na última segunda-feira (29) foram entregues mais 500 máscaras, desta vez para o Hospital da Criança de Ponta Grossa. Com esta doação, ao total já foram destinadas mais de mil máscaras confeccionadas pelo projeto.

Para dar mais detalhes sobre o projeto, a coordenadora da ação, professora Jézili Dias, respondeu algumas questões sobre as atividades e seus benefícios para a comunidade:

  • Como surgiu a ideia da produção das 4 mil máscaras?

Jézili Dias: Em conversa com a prof. Lia Antiqueira sobre ações para auxiliar na prevenção básica ao contágio da Covid-19, surgiu a ideia da confecção de máscaras em tecido, diante de sua eficácia e obrigatoriedade de uso. Com a publicação do edital de apoio, vimos uma excelente oportunidade para colocarmos em prática, o que de fato ocorreu. 

  • Quando elas efetivamente começaram a ser produzidas?

Jézili Dias: Após a aprovação do projeto - no final de maio - foram adquiridos materiais (tecidos, linhas, agulhas, giz e elásticos) a fim de treinar a equipe para a confecção, neste momento foram produzidas e doadas 300 máscaras. Após 15 dias a produção já era efetiva.

  • Quem são os responsáveis pela confecção? 

Jézili Dias: Os envolvidos no projeto são os discentes da UTFPR, sendo três alunos bolsistas e dois voluntários (Guilherme Fatarelli Rodrigues da Silva, Laura Maria Souza Batista, Waleska Godoy Gomes Azevedo, Andréia de Fátima Olegário e Vinicius Marcelo Chacon de Souza), três docentes (Lia Maris Orth Ritter Antiqueira, Elizabete Satsuki Sekine e Jézili Dias) e uma colaboradora externa, a Enfermeira Thayne da Rosa Sicorra.

  • Para quem estas máscaras estão sendo destinadas?

Jézili Dias: Elas serão destinadas para todos aqueles que estão envolvidos diretamente no contato com o público, sendo desde os próprios servidores da UTFPR, Câmpus Ponta Grossa até hospitais, asilos, orfanatos entre outros. Conforme as máscaras são confeccionadas o material é direcionado aos solicitantes cadastrados. Até o final de junho já foram doadas 1.114 máscaras, destinadas para o Hospital São Camilo (ala psiquiátrica), o Hospital da Criança, o Lar Francisclara, Lar são Vicente de Paula de Piraí do Sul, a Sala Empreendedora da Prefeitura de PG, o CMEI Prefeito Engenheiro Luiz Gonzaga, Hospital da Criança, além de servidores e pessoal da própria Universidade.

  • Além do edital da DIREC/PG, há mais alguma forma de apoio ao projeto?

Jézili Dias: Todos os recursos financeiros foram fornecidos pela DIREC/PG. As três máquinas de costura que estão sendo utilizadas foram emprestadas por Elizabete Satsuki Sekine, Letícia Romanovicz Moreira e Bernadete Chojnacki. Como colaboração direta, houve o fornecimento de escudos faciais e extensores para as máscaras em tecido, realizado pelo professor Matheus Postigo -  materiais desenvolvidos sob a sua coordenação em outro projeto de combate a Covid-19 da UTFPR. 

  • Na sua opinião, qual a importância desta ação para a sociedade?

Jézili Dias: Este projeto é mais uma forma de contribuição e solidariedade com o próximo, são ações pontuais e de atendimento básico, que possuem uma função importante de contribuição social. Cada máscara é confeccionada com carinho e cuidado especial, buscando mostrar às pessoas que elas não estão sozinhas. Os integrantes do projeto acreditam que estas ações podem fazer a diferença na sensibilização da população para a importância dos cuidados de prevenção e ainda passar uma mensagem de otimismo.