Home
/
Campus
/
Campus Pato Branco
/
Agenda de Eventos
/
Mesa-Redonda Olhares: Direito à terra: perspectivas

Mesa-Redonda Olhares: Direito à terra: perspectivas

Publicado 6/21/2023, 1:39:21 PM, última modificação 6/23/2023, 3:20:49 PM
Quando
Onde

Anfiteatro da UTFPR-PB

Pessoa de contato

Marcia Andrea Santos

No contexto atual, a sociedade brasileira vê-se embrenhada em meio a vários discursos, temos percebido nos últimos tempos a exacerbação do discursos de ódio, intolerância, preconceito, não aceitação das diferenças, desrespeito aos direitos humanos. Essas práticas discursivas estão percorrendo os meios midiáticos, principalmente as redes sociais e os dispositivos tecnológicos têm servido como midium para transmissão de toda e qualquer ideia, seja ela uma ideia de paz, de educação ou de ódio e violência. A formação de professores, entende como necessidade a discussão de temáticas de cunho social para que se possa observar diferentes pontos de vista e, a partir dessa interação, superar limites conceituais, ideológicos. Promover o debate de temáticas específicas como Direitos Humanos, Minorias, Cultura, Política, Religião, Economia, têm sido de grande valia para ampliação da formação crítica de diferentes profissionais na UTFPR, professores, acadêmicos, servidores, comunidade externa regional.

Dia 26 de junho haverá a Mesa-Redonda Olhares - Direito à Terra:  perspectivas. O evento terá início às 19h30 com apresentações artísticas. A Mesa-Redonda Olhares é realizada desde 2013 trazendo debates de diferentes temas e ampliando os olhares de nossa sociedade sobre ela mesma. Este evento, do Curso de Letras, é protagonizado pelos alunos do quinto período, coordenado pela professora Doutora Márcia Andrea dos Santos, apoiado pelo Mestrado em Letras - Disciplina Educação para a Multiculturalidade e Grupo de Pesquisa Políticas Públicas, Direitos Humanos e Educação- UTFPR.  O evento é direcionado a toda a comunidade local e regional. A participação é gratuita, mas pede-se a quem possa colaborar com campanha de arrecadação de alimentos que leve um quilo de um não perecíveis. São bem-vindos acadêmicos de Letras, Direito, Licenciaturas, Instituições Pastorais, Sindicatos, Associações, ONGs e comunidade como um todo.

Os debatedores serão:

José Carlos Gabriel Poty

Cacique da terra índígena de Mangueirinha 88/92. ADM Funai Chapecó SC 93/97. Vereador- Ipuaçu SC 2000/2004. Acadêmico de Direito- São Paulo 2005/2010. Bacharel em Direito- assessor povo gavião kyikateje-Pará, 2010/2014. Assessor povo kaingang Nonoai -RS 2014/2018. Cacique TI Mangueirinha 2021/2025.

Paulo Roberto Kohl

Advogado, sócio-fundador de Kohl & Leinig Advogados Associados, graduado pela Unisinos, especialista em Direito Público e Direito Agrário e Ambiental aplicado ao agronegócio, membro da União Brasileira dos Agraristas Universitários (UBAU), vice-presidente (Região Sul) da Comissão Nacional de Assuntos Fundiários da UBAU, coordenador da Escola Superior da Advocacia (ESA) — Subseção de Xanxerê (SC), membro da Comissão de Direito Agrário e Agronegócio - OAB/PR e OAB/SC e diretor da Escola de Agraristas.

Renata dos Santos Kaspreski

Quilombola. Graduada e mestre em Letras pela UTFPR. Estudante de Direito pelo IFPR. Integrante do Movimento de Mulheres Quilombolas do Paraná e do Coletivo da Educação Escolar Quilombola do Paraná. Professora da rede estadual de educação.

Ricardo Callegari

Doutor em História, educador popular e assessor parlamentar da Dep. Luciana Rafagnin. Coordenador dos projetos sobre Hortas Comunitárias e dos Pontos de Cultura. Possui graduação (2012), Mestrado (2015) e Doutorado (2020) em História pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, campus de Marechal Cândido Rondon, concentração em História, Poder e Práticas Sociais. Com pesquisas sobre a formação da identidade Sem Terra a partir das ocupações de fazendas improdutivas; sobre as relações de vida e trabalho construídas pela juventude Sem Terra nos Assentamentos; e sobre as interpretações e práticas sociais construídas pelos camponeses da região Sudoeste/PR durante a Ditadura Militar e a contemporânea "modernização conservadora da agricultura (1964 e 1985). Foi Educador Popular na Associação de Estudos, Orientação e Assistência Rural (Assesoar), com sede em Francisco Beltrão/PR. Lá desenvolveu trabalho de assessoria política e educacional sobre trabalho de base e história da sociedade para sindicatos, movimentos sociais, coletivos, escolas, dentre outras organizações da região.

Pe. Vagner José Raitz

Coordenador da Pastoral Ecológica do Paraná - representando o Bispo da diocese de Palmas e Beltrão.

Mediador: Aruanã Antonio dos Passos, doutor em História pela Univ. Federal de Goiás. Membro do Grupo de Pesquisa em Políticas Publicas, Educação e Direitos Humanos. Docente do Departamento de Humanas da UTFPR -PB.

O Evento objetiva promover o debate de temas sociais pertinentes com vistas a compreensão da realidade, pautada em visões de diferentes instituições, sejam elas: jurídicas, religiosas, midiáticas, educacionais, políticas, etc.